Moçambique: com agenda concreta Dhlakama pode rever Nyusi

António Muchanga, porta-voz da Renamo (DR)
António Muchanga, porta-voz da Renamo (DR)
António Muchanga, porta-voz da Renamo
(DR)

António Muchanga, porta-voz da Renamo afirma que o braço armado do principal partido de oposição em Moçambique, apenas se defendeu este sábado, porque o seu quartel em Moatize estava na mira das tropas do governo.

O governo moçambicano acusou alegadamente homens armados da Renamo de terem montado cinco emboscadas contra as forças de segurança em Moatize na manhã deste sábado (22/08).

António Muchanga porta-voz do principal partido da oposição em Moçambique afirma “a Renamo está-se a defender porque as Forças Armadas e as Forças de Intervenção Rápida – FIR – estão a ir ao quartel da Renamo“.

O líder da Renamo Afonso Dhlakama anunciou a suspensão do diálogo político com o governo (que dura há mais de dois anos) durante o encontro com os desmobilizados de guerra e comandantes do seu partido, que teve lugar em Tete entre 20 e 21 de Agosto, onde foi anunciado que o partido iria “governar se necessário à força” nas seis províncias onde reivindica ter ganho as eleições gerais de Outubro 2014.

Ontem (23/08) o Presidente Filipe Nyusi afirmou durante um culto da Igreja Universal do Reino de Deus – IURD – que esta segunda-feira (24/08) iria convidar Afonso Dhlakama para um terceiro encontro.

O porta-voz da Renamo, afirma a este propósito: “estamos ainda à espera de ver formalizada essa intenção e com uma agenda concreta, porque o presidente Dhlakama não tem falta de chá…havendo uma agenda concreta e viável para a solução o presidente Dhlakama irá ao encontro“. (rfi.fr)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA