Ministro do Interior consternado pela morte do comissário-chefe João de Almeida Sá

ÂNGELO TAVARES - MINISTRO DO INTERIOR (Foto: Angop)

O ministro do Interior, Ângelo da Veiga Tavares, manifestou-se consternado com o passamento físico do comissário-chefe João Manuel de Almeida e Sá, ocorrido há dias, em Portugal, vítima de prolongada doença.

ÂNGELO TAVARES - MINISTRO DO INTERIOR (Foto: Angop)
ÂNGELO TAVARES – MINISTRO DO INTERIOR (Foto: Angop)

Numa mensagem de condolências que à Angop teve hoje, segunda-feira, acesso, o governante destacou as qualidades do malogrado, referindo que o mesmo foi uma proeminente figura da epopeia gloriosa que conduziu à criação do Corpo de Polícia Popular de Angola (CPPA) e a sua consequente evolução à actual Polícia Nacional.

Para o ministro, o comissário chefe João Manuel de Almeida e Sá dedicou-se inteiramente à causa da Polícia Nacional, emprestando todo o seu saber à sua edificação, num contexto de luta em que, paralelamente às tradicionais missões policiais de garantir a ordem e tranquilidade pública, impunha-se adestrá-la para participar na defesa da Pátria, ao lado das Forças Armadas Angolanas (FAA) e de todas as forças vivas do país, até ao alcance da paz.

“Com o seu passamento físico, o Ministério do Interior e a Polícia Nacional, em particular, perdem um dos símbolos da sua reserva moral, intelectual e técnica, veículo dos melhores valores às jovens gerações de oficiais, subchefes e agentes da Polícia Nacional, cujo exemplo deve ser seguido”, expressou o ministro. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA