Ministro apela ao empenho de gestores na acção social

JOÃO BAPTISTA KUSSUMUA - MINISTRO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL (Foto: Francisco Miudo)

O ministro da Assistência e Reinserção Social, João Baptista Kussumua, solicitou aos gestores da província de Luanda boa disposição, empenho permanente, articulação e comunicação assídua para que em conjunto se consiga alcançar os ganhos que o estado pretende para as crianças, idosos e pessoas com deficiência.

JOÃO BAPTISTA KUSSUMUA - MINISTRO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL (Foto: Francisco Miudo)
JOÃO BAPTISTA KUSSUMUA – MINISTRO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL (Foto: Francisco Miudo)

A informação foi prestada segunda-feira a jornalistas durante a abertura de uma reunião que presidiu, no Salão nobre do Governo provincial, em que participaram a governadora em exercício, Jovelina Imperial, administradores municipais e directores provinciais, para análise da situação social das crianças, idosos e pessoas com deficiência.

De acordo com João Baptista Kussumua deve haver maior entrosamento entre a província e as administrações municipais e comunais para a melhoria da situação.

O ministro pede que os ganhos alcançados após o alcance da paz sejam salvaguardados, tornados robustos, de modo que se tenha um país cada mais forte e as populações a beneficiarem do esforço do governo e dirigentes.

O responsável fez saber que o encontro serviu para promover uma reflexão conjunta com as administrações municipais e o GPL sobre as questões que requerem a intervenção do Ministério, por formas a assegurar um melhor atendimento direccionado aos grupos vulneráveis.

“Queremos com as autoridades locais ver os avanços no domínio da acção social, voltados para as crianças, idosos e pessoas com deficiência”, disse.

Entre outras questões, os participantes ao encontro analisaram “a estratégia de expansão da rede de equipamentos de atendimento à primeira infância”, “programa de formação de técnicos do serviço social” e “o papel do trabalhador social no desenvolvimento sustentável das comunidades”. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA