Liga Portuguesa, J03: Benfica volta a tremer no regresso às vitórias, FC Porto cumpre

(EURONEWS)
(EURONEWS)
(EURONEWS)

O Benfica recebeu o Moreirense e foi a primeira equipa a sofrer golos pelos comandados de Miguel Leal. Os “cónegos” foram, aliás, a primeira equipa a rematar no jogo. Foi logo aos 5 minutos, após falha de Lisandro. Rafael Martins deu o aviso ao guarda-redes Júlio César.

Rui Vitória apostou no brasileiro Victor Andrade ao lado de Pizzi no meio-campo, com Samaris nas costas e Gaitan “à solta”. O argentino tentou golo de nota artística, aos 22 minutos, mas sem pontaria.

AS “águias” sentiam dificuldade para criar perigo na área dos visitantes. Os rivais apostavam no contra-ataque e foram felizes. Mais uma vez uma intervenção pouco feliz de Lisandro. Victor Gomes recuperou e lançou-se no contra-ataque, no momento certo libertou em Rafael Martins, que assinou o primeiro golo do Moreirense no campeonato e gelou a Luz.

Aos 38 minutos, Jonas falhou por pouco o empate e, ao intervalo, as equipas desceram aos balneários sob um coro de assobios dos adeptos da casa. Para a segunda parte, Rui Vitória fez entrar Talisca e Gonçalo Guedes, deixando no banho Pizzi e Victor Andrade. Novo meio-campo.

Aos 57 minutos, viu-se Mitroglou. O grego obrigou Setafnovic a defesa apertada. Miguel Leal troca Iuri Medeiros por Ramon Cardozo. Aos 68 minutos, de novo Jonas a falhar o alvo. O desespero nas bancadas da Luz agravou-se quando Mitroglou, a cruzamento de Gaitán, acertou na trave. A bola não queria nada com a baliza do Moreirense.

Miguel Leal trocou de avançado (Rafael Martins por Boateng), Rui Vitória não tinha nada a perder e lançou o mais recente reforço, o avançado Raul Jimenéz, para o lugar do lateral Eliseu. Começou a í a felicidade do treinador encarnado. À primeira jogada, a cruzamento de Gaitán, o mexicano empatou com um excelente golpe de cabeça.

Logo de seguida, num remate estranho de Samaris à entrada da área, Stefanovic foi mal batido e o grego celebrou a reviravolta no marcador. Miguel Leal apostou em Alan Shon e, aos 84 minutos, voltou a gelar a Luz. Lançamento longo para a área, Boateng domina, Lisandro cai em cima do ganês, mas a bola sobra para Cardozo, que beneficia de posição irregular não assinalada para empatar de novo a partida. Havia fora de jogo, mas também fica ideia de falta não assinalada para penálti de Lisandro sobre Boateng.

Ainda os “cónegos” festejam e já Jonas fazia as pazes com o golo. Mais uma vez a cruzamento de Gaitán, o brasileiro assinou o terceiro golo no campeonato e garantiu os 3 pontos ao Benfica. Rui Vitória foi feliz na aposta simultânea dos 3 avançados.

“Dragões” cumprem serviços mínimos

O FC Porto recebeu o Estoril, que vinha de uma vitória caseira sobre o Moreirense. Os “dragões” vinham de um empate no reduto do Marítimo e pressionados em mostrar uma atitude diferente aos adeptos. Para começar, Cissokho, que teve um erro de juvenil no Funchal, ficou na bancada, Martins Indi foi o lateralesquerdo. Brahimi foi o criativo “à solta”, com Aboubakar na frente, Tello e Varela nas faixas.

Logo aos 7 minutos, golo. Maxi Pereira – entrou “de caras” na equipa do FC Porto – lançou Brahimi e o ragelino assistiu Aboubakar para o terceiro golo do camaronês no campeonato. As bancadas do Dragão empolgavam-se, mas logo a seguir Maxi Pereira viu o primeiro cartão amarelo do jogo.

Os anfitriões estavam confiantes e controlavam. A meio da primeira parte, o Estoril começou a aparecer. Aos 24 minutos, Diego Carlos falhou o empate por centímetros. Casillas é chamado a intervir à meia hora. Lopetegui trocou Varela por André André ainda antes do intervalo – o “Drogba da Caparica” esteve apagado.

Na segunda parte, os anfitriões continuaram a revelar dificuldades. Aos 53 minutos, Bruno César dá trabalho a Casillas. Logo a seguir, Gerso remata por cima da baliza do espanhol. Herrera substitui Imbula no FC Porto. Aos 63 minutos, livre direto para os “dragões” e Maicon assina o 2-0. O jogo entrou numa toada lenta e foi assim até ao apito final.

Arouca e Setúbal marcam passo

No jogo que abriu a 4.a jornada, o Vitória de Setúbal, com o melhor ataque do campeonato, recebeu o Rio Ave. A equipa de Pedro Martins abriu o marcador já na segunda parte, por Yazalde. Os sadinos reagiram e deram a volta ao marcador, com um penálti de André Claro e mais um golo do sul-coreano Suk – os dois somam 3 golos cada, no campeonato. No cair do pano, André vilas boas respondeu da melhor a um livre de Filipe Augusto e impôs a divisão de pontos no Bonfim.

Este domingo à tarde, o Tondela recebeu o Nacional da Madeira e conseguiu a primeira vitória da história na I Liga portuguesa. Um golo do veterano brasileiro Kaká logo a abrir a segunda parte valeu os 3 pontos. Líder à entrada para esta ronda, o surpreendente Arouca deslocou-se a Paços de Ferreira. Bruno moreira abriu o marcador para os “castores” logo aos 4 minutos. Nuno Valente empatou ainda antes do intervalo e o marcador não mais se alterou. O Arouca foi ultrapassado pelo FC Porto, nos golos marcados.

O Sporting de Braga, por fim, recebeu o Boavista e goleou. O montenegrino Vukcevic abriu o marcador aos 16 minutos e bisou aos 58. Crislan e Alan, de penálti, fixaram a goleada que permite aos “guerreiros” do Minho igualar o Benfica na tabela. As “panteras” sofreram a primeira derrota na Liga.

O Sporting, ainda este domingo à noite em Coimbra, o Belenenses – Marítimo e o União da Madeira – Guimarães, ambos segunda-feira, fecham a quarta jornada. (euronews.com)

por Francisco Marques

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA