Instrumento: Alavancagem financeira

RAIMUNDO VAN-DÚNEM Economista (Foto: D.R.)
RAIMUNDO VAN-DÚNEM Economista (Foto: D.R.)
RAIMUNDO VAN-DÚNEM
Economista
(Foto: D.R.)

Em finanças, alavancagem é o termo geral para qualquer técnica aplicada para multiplicar a rentabilidade por meio de endividamento. O incremento proporcionado através da alavancagem também aumenta os riscos da operação e a exposição à insolvência. As formas comuns de conseguir alavancagem são: solicitar empréstimo de dinheiro, comprar activos fixos e usar derivativos. Uma sociedade anónima pode alavancar o seu património líquido, solicitando empréstimo de dinheiro.

Quanto mais recorrer a empréstimos, menos capital próprio será utilizado para o investimento. Assim, a empresa apresentará uma relação lucros (ou perdas)/capital proporcionalmente maior (porque a base será menor). Uma empresa pode alavancar as suas receitas comprando activos fixos. Isso vai alavancar a proporção de custos fixos, em relação aos variáveis da empresa e a variação da receita resultará de uma maior nas receitas operacionais, isto é, nas decorrentes da actividade principal da empresa.

O hedgefunds: frequentemente alavancam-se os activos usando derivativos. Portanto, só existe alavancagem financeira se a empresa possuir capital de terceiros na sua estrutura de capital. Em suma, a alavancagem financeira corresponde à relação entre capital pró- prio e créditos aplicados numa operação financeira.

Pode ser ainda o uso de activos ou recursos com encargos financeiros fixos, para aumentar os efeitos de varia- ções do lucro antes de juros e imposto de renda (LAJIR) sobre o lucro por acção – ou seja, para aumentar o retorno dos accionistas da empresa. Assim, a empresa usa recursos de terceiros (basicamente empréstimos, obrigações, acções preferenciais, etc.) para maximizar os efeitos da variação do lucro operacional (LAJIR) sobre os por acção.

Geralmente, as elevações na alavancagem resultam em aumentos de risco e de retorno, ao passo que as reduções na alavancagem resultam em menor risco e menor retorno. A alavancagem financeira é positiva quando capitais de longo prazo de terceiros produzem efeitos positivos sobre o património líquido. Os capitais de terceiros de longo prazo só são vantajosos para uma empresa quando o retorno sobre o património líquido for superior ao retorno sobre o activo.

De nada adiantaria a uma empresa captar recursos a longo prazo, se estes fizessem com que o retorno sobre o património líquido recuasse à sua posição anterior à da captação. A alavancagem financeira é isso: a “alavanca” que esta captação produz (ou não) no retorno aos accionistas. A medida do grau de alavancagem financeira (GAF) de uma empresa é um importante indicador do grau de risco a que empresa está submetida. Se houver uma presença de capital de terceiros de longo prazo na estrutura de capital, a empresa estará “alavancada”, ou seja corre risco financeiro. (jornaldeeconomia.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA