Identificados eixos para baixar o desemprego

(ja.ao).

O Governo Provincial do Bié e parceiros estão a apostar no fomento e na melhoria dos serviços prestados pelos sectores da agricultura, recursos hídricos, pequenas indústrias, banca e crédito, com vista a torná-los eixos principais para desenvolver as áreas produtiva e económica da região.

(ja.ao).
(ja.ao).

Reunidos ontem no primeiro fórum económico, que avaliou o modelo para desenvolver as potencialidades da região, os participantes concluíram que há necessidade da revitalização da qualidade na prestação de despesas públicas.

Os participantes defenderam que é preciso caminhar rapidamente para que os sectores da economia real concorram para a geração de mais empregos.

O governador provincial do Bié, Boavida Neto, disse que a região dispõe de diversos recursos naturais para sustentabilidade da economia, salientando que os bens carecem somente de fomento produtivo e aposta em infra-estruturas para proporcionar a auto-suficiência.

O modelo para desenvolvimento, até 2017, incorpora a atracção de agentes económicos privados, incentivando o reforço das suas ligações com a província.

O governador provincial falou em medidas estratégicas e direccionadas que revelam o empenho da província em promover a diversificação da actividade por via da robustez empresarial. A nova Lei de Investimento Privado introduz alterações significativas nas iniciativas do Governo Provincial, que conferem uma rentabilidade assegurada.

No acto, com a participação de responsáveis da rede bancária pública e privada, empresários nacionais e estrangeiros, sociedade civil, foram apresentados recursos naturais do Bié, com realce para o calcário, diamante, argila plástica, ferro e granito.

INEFOP lança técnicos

Um total de 200 jovens foram formados em diversas especialidades pelo Instituto Nacional de Formação Profissional (INEFOP) e colocados no mercado de emprego este ano, na província do Bié.

O director do INEFOP no Bié, Francisco Siko Tchivangulula, disse que a acção formativa foi inserida numa capacitação de cinco meses. Os centros de formação criaram pequenas condições para os formandos após o término do seu curso, com o objectivo de assegurar o fomento do auto-emprego.

Os recém-formados receberam vários materiais de carpintaria, alvenaria e de canalização para darem início à actividade profissional.

Actualmente existe uma grande adesão dos jovens da província aos centros de formação profissional, devido às exigências do próprio mercado de trabalho.

A juventude no Bié tem apostado nas actividades do empreendedorismo, através de vários cursos ministrados no INEFOP.

Nos últimos dois anos, a província tem sido incentivada com novos projectos empresariais, que facilitam o ingresso ao mercado de trabalho de jovens formados em várias áreas pelo INEFOP.

Mais oportunidades

O director do INEFOP afirma que as instituições empresariais dos sectores da energia e água, hotelaria e turismo, supermercados e de fábricas de material escolar são os que mais solicitam formados pela instituição.

Durante a formação, os alunos apresentaram interesses e agilidades na aprendizagem das diversas áreas ministradas. Actualmente existe no mercado da província uma relação de proximidade e harmonia entre empregadores e o centro de formação profissional na aquisição e valorização dos quadros qualificados. (ja.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA