Huíla: Mulheres reafirmam compromisso pela igualdade e paz nacional

Jovens Universitárias do Lubango (Foto: Jorge Monteiro/Portalde Angola)
Jovens Universitárias do Lubango (Foto: Jorge Monteiro/Portalde Angola)
Jovens Universitárias do Lubango (Foto: Jorge Monteiro/Portalde Angola)

Mulheres residentes no Lubango, capital da província da Huíla, reafirmaram sexta-feira, nesta cidade, o compromisso de continuarem a trabalhar para a igualdade do género, resgate dos valores cívicos, morais, éticos e culturais para a preservação da paz em Angola.

Em declarações à Angop, por ocasião do 31 de Julho, dia da mulher africana, as entrevistadas foram unânimes em afirmar que as mulheres desempenham um papel fundamental para o crescimento social, económico, político, cultural e social em África.

A responsável da associação das mulheres afecta a igreja Católica (Promaica), Amelia José, sublinhou que esta franja da sociedade deve saber resolver os seus problemas no lar ou no local do seu trabalho, dentro do patriotismo e amor ao próximo, para que possa consolidar a sua imagem como tal em todas as esferas da sociedade.

“Devemos trabalhar sempre com dedicação para podermos alcançar a paz verdadeira, onde os valores cívicos e morais constituem as armas fortes para vencer todos obstáculos na vida, bem como ajudar o governo a solucionar os problemas como o analfabetismo, delinquência juvenil, violência doméstica e outros males de que enferma a sociedade”, disse.

A secretária provincial adjunta da organização feminina do MPLA, na Huíla, Verônica Rito, disse que a mulher angolana, em particular, e africana, de uma forma geral, tem estado a travar uma luta pela igualdade no género, factor que influencia nas políticas traçadas pelos respectivos governos.

A directora da indústria, geologia e minas, na Huíla, Paula Joaquim, disse que a mulher deve continuar a lutar pelos seus direitos, bem como afirmar-se, pois representam os pilares que sustentam todo o desenvolvimento de uma sociedade nas diferentes esferas.

A chefe de repartição de saúde, no Lubango, Judite Santos Rocheta, destacou igualmente a importância da data, pois permite reflectir sobre os feitos da mulher nos últimos anos, bem como nos desafios a concretizar a posterior.

A efeméride foi instituída a 31 de Julho de 1962 em Dar-Es-Salaam, Tanzânia, por 14 países e oito movimentos de libertação nacional, na Conferência das Mulheres Africanas. (portalangop.co.ao)

1 COMENTÁRIO

  1. Hi, I am from Guadalajara México, some years ago a priest from Angola, Felix Nunes Bento was here and became my family’s friend. Now he is in Lubango and also works with Promaica.
    Could you please help me to locate him and send me his email?
    Thank You.

DEIXE UMA RESPOSTA