Guiné-Bissau: PM rebate cinco pontos com que PR justifica crise política

DOMINGOS SIMÕES PEREIRA, PRIMEIRO-MINISTRO DA GUINÉ-BISSAU (Foto: Angop)

Bissau – O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Domingos Simões Pereira, rebateu quinta-feira os cinco pontos que diz estarem a ser usados pelo Presidente da República, José Mário Vaz, para provocar uma crise política que justifique a demissão do Governo.

DOMINGOS SIMÕES PEREIRA, PRIMEIRO-MINISTRO DA GUINÉ-BISSAU (Foto: Angop)
DOMINGOS SIMÕES PEREIRA, PRIMEIRO-MINISTRO DA GUINÉ-BISSAU (Foto: Angop)

“Considerando que essa ameaça permanente de demissão do Governo pelo Presidente da República prejudica séria e profundamente o país”, Simões Pereira disse ter “chegado o momento” de falar.

E fê-lo numa comunicação ao país, lida no Palácio do Governo.

Nessa declaração, explicou que a certeza sobre as intenções do Presidente tomaram forma na quarta-feira, quando Vaz deu conta ao líder do Parlamento de que não confia “no chefe do Governo” e por isso pretende “destituir o Executivo”.

No mesmo dia, “mandou cancelar, sem explicação”, a reunião semanal com o primeiro-ministro e anunciou o início de auscultações aos partidos, como a Constituição manda fazer no caso de pretender derrubar o Executivo.

Por outro lado, a Assembleia Nacional Popular (ANP) denunciou a existência de um “plano estratégico” para demitir o elenco governativo – e para constituição de um outro de Unidade Nacional de base alargada.

Face a estes dados, Simões Pereira referiu quinta-feira que há “uma intenção deliberada de provocar uma crise para justificar a decisão de destituição do Governo”.

Partindo das conversas que manteve com o presidente do Parlamento, o primeiro-ministro divulgou e rebateu os cinco pontos com que José Mário Vaz justifica uma crise.

O Presidente queixa-se de estarem na proposta de remodelação do Governo elementos sobre os quais há suspeitas de actos ilícitos, mas o primeiro-ministro responde que as pessoas indiciadas pela Justiça foram removidas e Vaz quer agora fazer valer as suas suspeições pessoais.

Noutro ponto, Vaz alega existir um fundo com dinheiro de doadores internacionais que está a ser ocultado pelo Governo, facto negado pelo primeiro-ministro, que diz já ter dado explicações ao Presidente com a ajuda de outros diplomatas, mas sem sucesso.

O chefe de Estado quer ainda retirar da esfera do ministro das Finanças a gestão dos recursos financeiros resultantes da mesa redonda de doadores – realizada em Março, com o anúncio de mil milhões de euros de intenções de apoio.

A pretensão foi negada pelo primeiro-ministro: “se tem dúvidas em relação ao ministro das Finanças, então falamos dele”, acrescentou num comentário em crioulo, reafirmando que cabe a cada Ministério e aos seus titulares gerir os respectivos dossiers.

Vaz “reagiu negativamente” noutro tema, relativo a uma proposta de Simões Pereira de “inclusão no Governo de elementos próximos ao Presidente”, entendendo ser esse “o caminho para o apaziguamento”.

“O PR reagiu negativamente, afirmando nunca ter tratado do assunto com ninguém”, sublinhou.

Num quinto ponto, José Mário Vaz referiu que o Governo terá permitido o regresso à Guiné-Bissau do antigo chefe militar, o contra-almirante Zamora Induta, “com o propósito de desestabilizar o país”.

No entanto, o primeiro-ministro rejeita a informação e disse estar na posse de dados segundo os quais o Presidente da República foi informado e concordou com o regresso de Induta, ex-chefe de Estado-Maior General das forças Armadas.

O primeiro-ministro classificou a intenção do Presidente derrubar o Governo como “uma falta grosseira de ponderação sobre as implicações e o alcance de tal medida para a ordem interna e estabilidade”, após as eleições gerais de 2014, “além de ser um rude e traiçoeiro golpe à esperança que a todos tem animado”.

“Todos os mecanismos e dispositivos legais e democráticos serão mobilizados para preservar a ordem e evitar a interrupção desta caminhada do país rumo à paz e ao desenvolvimento”, referiu, numa alusão à estabilidade política conquistada no último ano com o apoio da comunidade internacional.

O primeiro-ministro garantiu ainda que procurará “a responsabilização política e judicial do autor de actos que ponham em causa a ordem interna e a estabilidade do país”.

Ao mesmo tempo, no Palácio da Presidência, Vaz continuou esta tarde a realizar audições com líderes partidários, sem prestar comentários públicos sobre a situação política.

Chegou ainda ser convocada uma reunião do Conselho de Estado para as 18:00 locais, mas o encontro foi adiado, mas ainda sem data, segundo referiu fonte da Presidência à Lusa. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA