Guarda costeira grega acusada de provocar naufrágio de imigrantes (vídeo)

(EURONEWS)
(EURONEWS)
(EURONEWS)

Um barco da guarda costeira grega terá afundado recentemente uma embarcação insuflável carregada de imigrantes originários da Síria. A denúncia vem do jornal diário turco “Hürriyet”, que publicou um vídeo alegadamente filmado durante a ação das autoridades marítimas gregas.

O incidente terá sido filmado há alguns dias por pescadores trucos em águas turcas, entre o arquipélago grego do Dodecaneso, na extremidade leste do mar Egeu, e a costa sudoeste da Turquia.

Nos comentários audíveis em turco no vídeo, os pescadores dizem que os funcionários da guarda costeira grega entraram em águas turcas, furaram o pneumático que transportava os clandestinos e abandonaram-nos enquanto naufragavam.

Os náufragos foram inicialmente socorridos pelos pescadores e em seguida pela guarda costeira turca. Segundo o “Hürriyet”, não hove vítimas mortais do incidente.

As ilhas do mar Egeu registaram, desde o início de 2015, um aumento progressivo do número de refugiados que procuram atracar durante a noite em dezenas de botes insufláveis, vindos da Turquia. Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), em janeiro foram 1.700 pessoas, em junho 31 mil e em julho 50 mil.

Ainda de acordo com o ACNUR, na semana passada 1.900 clandestinos, entre homens, mulheres e crianças, chegaram às costas orientais do Egeu.
Modus operandis?

Não é a primeira vez que as autoridades gregas são acusadas de provocar o naufrágio de clandestinos. Em janeiro de 2014, um barco da guarda costeira grega tentou rebocar para águas territoriais turcas um bote com 28 imigrantes afegãos e sírios vindos da Turquia, tendo provocado a morte por afogamento de 9 crianças e 3 mulheres no mar Egeu. Os funcionários da guarda costeira não prestaram sequer socorro aos náufragos.

A denúncia foi feita em Atenas pelos 16 sobreviventes e por ativistas dos direitos humanos, organizações de apoio aos refugiados e imigrantes,e anti-racistas, representantes do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados e deputados do partido grego Syriza. Na altura, Panos Skourleti, do Syriza, exigiu a demissão do ministro grego e uma investigação independente sobre o incidente.

Isto, depois de, em dezembro de 2013, o chefe da polícia grega, Nikolaos Papagianopoulos, ter declarado que a estratégia com os imigrantes deveria ser “tornar-lhes a vida impossível”, segundo uma gravação sonora publicada pelo site grego de investigação jornalística Hot Doc, dirigido pelo jornalista Kostas Vaxevanis.

O diretor da Amnistia Internacional para a Europa e Ásia Central, John Dalhuisen, pediu às autoridades gregas que as alegadas declarações de Papagianopoulos fossem investigadas. (euronews.com)

por Nelson Pereira

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA