Governador do BNA ressalta ritmo dos deputados

JOSE PEDRO DE MORAIS, GOVERNADOR DO BNA (Foto: Francisco Miudo)

O governador do Banco Nacional de Angola (BNA), José Pedro de Morais, considerou nesta sexta-feira, em Luanda, que o ritmo de trabalho dos deputados da Assembleia Nacional, este ano, vai permitir alcançar progressos no sector das finanças.

JOSE PEDRO DE MORAIS, GOVERNADOR DO BNA (Foto: Francisco Miudo)
JOSE PEDRO DE MORAIS, GOVERNADOR DO BNA (Foto: Francisco Miudo)

Em declarações à imprensa, à margem do acto de encerramento da III Sessão Legislativa da III Legislatura do Parlamento, apontou a aprovação da Lei das Instituições Financeiras como um marco.

Do seu ponto de vista, esta Lei “introduziu modernismo na forma de condução do sector financeiro”, tendo destacado ainda a Lei dos Valores Mobiliários, aprovada pelos deputados.

Considerou de grande relevância o facto de os representantes do povo terem dado autorização ao Titular do Poder Executivo para pôr em circulação moedas de 50 e 100 kwanzas.

Essas moedas metálicas foram lançadas no âmbito das festividades do 40º aniversário da Independência Nacional, que se celebram a 11 de Novembro.

José Pedro de Morais disse, por outro lado, que o Executivo tem um programa que está a ser cumprido, fundamentalmente para ajustar a procura global aos novos recursos do país.

Afirmou que é fundamentalmente por essa via que o seu sector vai conseguir reequilibrar a estabilidade macroeconómica nacional.

A III Sessão Legislativa da III Legislatura, cujo acto de encerramento foi assistido por auxiliares do Titular do Poder Executivo, diplomatas, autoridades tradicionais e eclesiásticas, foi marcada por intensos debates entre o MPLA e a oposição.

Neste ano parlamentar, o “bloco da oposição” optou várias vezes pela política da cadeira vazia e pelo generalizado silêncio, em alguns debates, como forma de protesto pela não transmissão em directo das sessões da Assembleia Nacional.

À semelhança das sessões anteriores, o presente Ano Parlamentar voltou a ficar marcado por uma quase totalidade de diplomas submetidos pelo Titular do Poder Executivo.

Houve fraca iniciativa legislativa por parte dos Grupos Parlamentares, sobretudo da oposição. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA