França: Legião de honra para os “heróis do Thalys”

Da esquerda para a direita, em redor do presidente Hollande: o britânico Chris Norman, os americanos Anthony Sadler, Spencer Stone e Alek Skarlatos, 24 de Agosto de 2015 no Eliseu. (REUTERS/Michel Euler/Pool)
Da esquerda para a direita, em redor do presidente Hollande: o britânico Chris Norman, os americanos Anthony Sadler, Spencer Stone e Alek Skarlatos, 24 de Agosto de 2015 no Eliseu. (REUTERS/Michel Euler/Pool)
Da esquerda para a direita, em redor do presidente Hollande: o britânico Chris Norman, os americanos Anthony Sadler, Spencer Stone e Alek Skarlatos, 24 de Agosto de 2015 no Eliseu.
(REUTERS/Michel Euler/Pool)

Os quatro “heróis do Thalys” receberam hoje em Paris das mãos do presidente francês a mais alta condecoração do Estado, a Legião de honra. Os três americanos e um britânico conseguiram neutralizar Ayoub el-Khazzani que viajava na posse de armamento pesado a bordo do comboio de alta velocidade “Thalys” entre Amesterdão e Paris na sexta-feira. Um gesto que terá permitido evitar uma carnificina.

François Hollande afirmou nesta cerimónia que fazia questão “em vos agradecer em nome da França”. Aos novos quatro detentores da Legião de honra francesa o estadista declarou ainda: “Desde sexta-feira o mundo inteiro admira a vossa coragem, sangue frio e espírito de responsabilidade. Esta solidariedade permitiu-vos controlar um indivíduo fortemente armado, e sem ter nada nas vossas mãos. O vosso heroísmo deve ser um exemplo para muitos e uma fonte de inspiração. Face ao mal que se chama terrorismo há um bem: o da humanidade. É esse que vocês encarnam.”

Os soldados americanos Spencer Stones, de 23 anos (baseado no arquipélago português dos Açores) e Alek Skarlatos, de 22 anos, e o amigo da ambos Anthony Sadler, de 23 anos, e o britânico Chris Norman, de 62 anos, não são os únicos a ser condecorados.

O franco-americano Mark Moogalian, de 51 anos, ficou ferido por bala durante o ataque e encontra-se ainda hospitalizado, bem como um passageiro francês de 28 anos que tentara deter o presumível terrorista, receberão posteriormente a mais alta das recompensas do Estado francês. As autoridades de Paris saudaram também o papel de um ferroviário da empresa de caminhos de ferro SNCF que, embora de férias, de acordo com Spencer Stone teria ajudado a tentar controlar o agressor.

Este continua a ser ouvido na região de Paris pela polícia a quem terá declarado ter encontrado o armamento num parque de Bruxelas. O cidadão marroquino alegara pretender extorquir dinheiro aos passageiros do comboio Amesterdão Paris, mas descartou qualquer pertença a um movimento terrorista. (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA