EUA ameaçam presidente do Sudão do Sul por se negar a assinar acordo de paz

(AFP)
(AFP)
(AFP)

Washington, padrinho da independência do Sudão do Sul em 2011, ameaçou o presidente do país, Salva Kiir, por ter se negado a assinar, nesta segunda-feira, um acordo de paz para por fim à guerra civil que assola o jovem país do leste da África.

“Os Estados Unidos lamentam profundamente que o governo sul-sudanês tenha decidido não assinar um acordo que contava com o apoio de todos os Estados da Igad (n.d.r. mediação de países do leste da África), da troika – EUA, Reino Unido e Noruega -, da China, da União Africana e das Nações Unidas”, afirmou o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby.

Ao contrário, comemorou a assinatura do acordo de paz por parte do “dirigente da oposição (e ex-presidente) Riek Machar”.

Os beligerantes da guerra civil que devasta o Sudão do Sul desde Dezembro de 2013 não alcançaram um acordo de paz total nesta segunda-feira em Adis Abeba, visto que o governo não assinou o documento, apesar de um ultimato lançado pela comunidade internacional, segundo a mediação.

“Chamamos o governo a assinar o acordo no período de 15 dias que solicitou para consultas. Como o presidente (Barack Obama) declarou, se não for alcançado um acordo hoje, consideraríamos os meios de aumentar o preço a pagar por esta intransigência”, ameaçou Kirby.

A comunidade internacional tinha dado prazo até esta segunda-feira às partes para concluir um acordo de paz, ameaçando de forma indirecta Kiir e Machar com a imposição de sanções precisas. (afp.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA