Escritores e jornalistas pedem justiça para fotógrafo morto no México

(AFP)
(AFP)
(AFP)

Centenas de escritores, jornalistas e artistas do mundo, entre eles Paul Auster e Salman Rushdie, enviaram uma carta ao presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, para exigir o fim da “censura na bala” contra a imprensa e o esclarecimento do assassinato do fotógrafo Rubén Espinosa.

“Já não há jornalistas locais, somos todos colegas. Quando se ameaça um jornalista no México estão ameaçando todos nós”, disse nesta segunda-feira o americano Francisco Goldman, durante entrevista colectiva na Cidade do México.

Um grupo de jornalistas entregou a carta formalmente no gabinete de Peña Nieto e, por lei, a presidência tem entre 20 e 30 dias para responder.

No México, um dos países mais perigosos do mundo para o exercício do jornalismo, mais de 80 jornalistas foram assassinados e 17 desapareceram desde 2000, segundo a Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

Espinosa foi morto em um apartamento da Cidade do México junto com quatro mulheres, entre elas a activista colombiana Nadia Vera.

A justiça do México iniciou um processo contra o ex-presidiário Daniel Pacheco Gutiérrez, acusado de homicídio e assalto no caso.

Pacheco Gutiérrez, 41, que já cumpriu dez anos de prisão por estupro e lesão corporal, foi detido no dia 5 de Agosto como o autor do brutal crime cometido no dia 31 de Julho passado, em um apartamento de um bairro de classe média.

As cinco vítimas apresentavam sinais de tortura e foram mortas com disparos na cabeça.

Espinosa, 31, havia chegado à Cidade do México em Junho passado, após denunciar ameaças ligadas a seu trabalho por parte do governo do estado de Veracruz (leste), onde residia. (afp.com)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA