Director do Cefojor defende maior planificação de acções formativas

Joaquim Paulo - Director do Cefojor (Foto: Angop)

O director do Centro de Formação de Jornalistas (Cefojor), Joaquim Paulo, defendeu quarta-feira, em Luanda, uma maior planificação das acções formativas a adequação dos conteúdos dos cursos às necessidades de cada província do país, tendo em vista o todo nacional.

Joaquim Paulo - Director do Cefojor (Foto: Angop)
Joaquim Paulo – Director do Cefojor (Foto: Angop)

Em declarações à Angop, à margem do 10º Conselho Consultivo do Ministério da Comunicação Social realizado sob o lema “Estado de Cobertura do país pelos Órgãos Públicos de Comunicação Social”, Joaquim Paulo salientou o facto do Cefojor ter relançado o curso profissional de jornalismo.

“Para termos um jornalismo mais sério, responsável é necessário que haja regularmente acções de actualização dos quadros”, referiu.

Essas acções, prosseguiu, visam colocar os profissionais de imprensa a altura dos desafios do desenvolvimento tecnológico, pois trabalham em mídea tradicional, “self” mídea e nas redes sociais.

Para o director do Cefojor é fundamental elevar a qualidade de trabalho que o centro realiza a todo o país, bem como expandir a acção de formação que tem sido feita em Luanda.
O representante da Gráfica Popular, Fernando Cunha, disse ter apresentado no encontro propostas sobre a modernização da unidade e de formação dos seus quadros.

Considerou a  gráfica  uma indústria da democracia, pois segundo afirmou, “não há democracia sem jornais e a indústria das artes gráficas é a que produz os jornais que dão voz a sociedade”.

Confirmou que a Gráfica Popular tem recebido a atenção necessária do Ministério da Comunicação Social, o que torna a unidade capacitada para os grandes desafios.
Em representação do Jornal de Angola, Eduardo Mivu, informou que o diário nacional prevê lançar um novo jornal que terá a designação de Metropolitano, especificamente para abordar a vida da cidade de Luanda.
“A nível das províncias sairão cadernos temáticos que terão a mesmo conteúdo. Cada província abordará o seu dia-dia”, explicou.
Perspectivou para 2016 a construção de mais centros de produção regionais.
Disse estar em funcionamento os centros de produção regionais do Lobito, Huambo, Cuando Cubango e da Lunda Sul.
A saída da reunião, administrador executivo para Área de Gestão de Marketing e Negócios da Agência Angola Press “Angop”, Josué  Isaias, apontou os desafios que se impõem a instituição.

Entre os desafios enumerou a necessidade de haver maior divulgação do conteúdo e da posição noticiosa da agência.

Considerou fundamental aumentar a produção noticiosa da Angop em qualidade.

Informou que durante o encontro, do Ministério da Comunicação Social,

Angop apresentar o projecto de edificação de uma nova sede.

A construção da nova sede visa, entre outros factores, economizar recursos financeiros pagos no edifício arrendado onde funciona actualmente. “É um grande constrangimento que desvia recursos que poderiam ser alocados para outras realizações”. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA