Defendido fomento do emprego para travar alterações climáticas

MINISTRA DO AMBIENTE, FÁTIMA JARDIM (Foto: Angop)

A ministra do Ambiente, Fátima Jardim, disse hoje (segunda-feira) que as alterações climáticas podem ser combatidas através do crescimento, emprego, inclusão social e, sobretudo, combate à pobreza no meio rural, aproveitando os recursos naturais de forma sustentável.

MINISTRA DO AMBIENTE, FÁTIMA JARDIM (Foto: Angop)
MINISTRA DO AMBIENTE, FÁTIMA JARDIM (Foto: Angop)

Discursando na abertura da primeira conferência nacional sobre alterações climáticas, que decorre em Luanda para analisar e discutir as políticas  e estratégias de mitigação dos seus efeitos, a governante acrescentou que a exploração dos recursos naturais deve ser feita com responsabilidade e compromisso com as novas gerações e de melhoria da qualidade de vida dos angolanos.

Segundo ela, o pelouro vai dar continuidade aos compromissos  assumidos a nível internacional, sobretudo com a Convenção Quadro sobre as Alterações Climáticas, destacando a necessidade de financiamento para a adaptação e resolução dos fenómenos imprevisíveis como as alterações  climáticas.

Os participantes ao evento, que reúne membros do Executivo, deputados à Assembleia Nacional e membros da sociedade civil, reflectem  em torno dos efeitos  adversos  das alterações climáticas para  a sociedade angolana, em particular, despertando o interesse das pessoas para esta importante abordagem.

O encontro realiza-se no quadro da 21 Conferência das Partes sobre as Alterações Climáticas, a  decorrer de 30 a 11 de Dezembro deste ano, em Paris, capital da França.

Sob lema “Desafios e Oportunidades”,  a ministra do Ambiente augura que as contribuições deste evento permitam enriquecer a posição de Angola e a sua contribuição para as negociações e adopção do Novo Acordo Global para o Clima, a ser adoptado em Paris.

Em parceria com o  Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), os participantes estão a abordar a questão relacionadas com a projecção das causas e efeitos das alterações climáticas, de acordo com documentos mais recentes publicados pelas Nações Unidas,  ponto de situação das negociações internacionais do Clima e posição de Angola. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA