De onde vêm os refugiados africanos?

(AFP/GETTY IMAGES)
(AFP/GETTY IMAGES)
(AFP/GETTY IMAGES)

Em 2015 mais de 200 mil pessoas entraram ilegalmente na Europa cruzando o mar Mediterrâneo. Listamos os principais países de origem dos refugiados africanos e os motivos pelos quais eles deixam seus lares.

1° Eritreia

Segundo a ONU, pelo menos 357 mil pessoas – 5% da população – fugiram da Eritreia em 2014. O país, considerado a “Coreia do Norte da África”, enfrenta péssimas condições económicas e humanitárias como pobreza, tortura e prisões arbitrárias. A maioria dos refugiados são jovens que querem fugir do Exército. O serviço militar oficial dura 18 meses, mas na prática é prorrogado indefinidamente.

2° Somália

A Somália é considerada um “estado falido”, sem um governo central há 20 anos. Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), 14% da população – mais de um milhão de pessoas – vive no exílio. Dentro do país a população vive aterrorizada pelo grupo extremista islâmico Al Shabaab. Cerca de 7mil refugiados cruzaram o Mediterrâneo só no primeiro semestre de 2015.

3° Nigéria

Os ataques do grupo terrorista Boko Haram contra a população do norte da Nigéria têm provocado uma catástrofe humanitária. Além disso, segundo a Amnistia Internacional, a situação na Líbia também obriga os nigerianos que haviam encontrado emprego e protecção no país a fugir mais uma vez. Cerca de 8 mil nigerianos chegaram à Itália no primeiro semestre de 2015.

4° Gâmbia

Com apenas 1,8 milhão de habitantes, Gâmbia é um dos menores países da África. Ainda assim, 4 mil pessoas pediram asilo na Europa só no primeiro semestre de 2015. A situação se assemelha à da Eritreia: há mais de 20 anos o governo impõe um regime de opressão. Mais da metade dos gambianos vive abaixo da linha de pobreza, e cerca de 60% da população é analfabeta.

5° Sudão

O governo Sudão está em uma longa guerra contra grupos rebeldes. Só na província de Darfur mais de 300 mil pessoas já morreram. Os ataques contra a população civil e as perseguições às minorias étnicas obrigam os sudaneses a fugir. O país também acolhe refugiados de outras regiões: cerca de 167 mil pessoas da Eritreia, Etiópia, Chade e Congo se unem aos milhões de deslocados internos do Sudão.

Segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), em 2015 mais de 200 mil pessoas entraram ilegalmente na Europa cruzando o mar Mediterrâneo. Mais de 2 mil delas não sobreviveram à perigosa travessia. Entre as vítimas estão sírios e iraquianos, mas a maioria vinha da África. Listamos os principais países de origem dos refugiados e explicamos por que tantas pessoas arriscam a vida para fugir de seus países. (dw.de)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA