Cunene: Dirigente do MPLA apela jovens a respeitarem os ideais do partido

Gonçalves Namweia - 1º secretário municipal do MPLA de Cuahnama (Foto: Angop)
Gonçalves Namweia - 1º secretário municipal do MPLA de Cuahnama (Foto: Angop)
Gonçalves Namweia – 1º secretário municipal do MPLA de Cuahnama (Foto: Angop)

O primeiro secretário do MPLA no Cuanhama, província do Cunene, Gonçalves Namweia, apelo neste final- de- semana em Oimote, aos membros da JMPLA no sentido de manter firme e defenderem os ideais do partido e do seu líder, presidente José Eduardo dos Santos, pelos feitos em prol do seu crescimento e coesão.

O dirigente que falava a margem do acto de ingresso de 500 jovens na JMPLA, encorajou os militantes a continuarem a preservar e defender os ideais do partido, de acordo com os pressupostos estatutários, absterem-se de práticas anti-sociais e evitarem tomar parte de “falsas religiões”.

O secretário disse que os membros da JMPLA devem ser exemplo para a sociedade, no tocante ao respeito pelas diferenças, assim como na promoção da paz e da reconciliação nacional, entre outras práticas socialmente úteis.

Considerou fundamental esta atitude em todos os militantes do partido, que devem servir de exemplo para os demais, para que a paz, alcançada com muito sacrifício, seja duradoura.

Acrescentou que outra prática a evitar é o uso excessivo de bebida alcoólica e a delinquência, pois em nada dignificam o bom nome dessa franja social.

“Não devemos permitir que os jovens, ao invés de estudarem ou se dedicarem à formação profissional, enveredam pelo alcoolismo ou pela delinquência”, sustentou.

Acrescentou que se trata de um comportamento não saudável, por isso urge transmitir os bons exemplos à sociedade, para que os jovens granjeiem confiança dos mais velhos

Na sua intervenção, Gonçalves Namweia defendeu, também, a necessidade imperiosa dos dirigentes da organização a todos os níveis trabalharem no recrutamento de mais militantes, bem como no aumento da produção e produtividade agro-pecuária e da sua participação na educação e ensino, como condição para a redução da fome e pobreza, e reduzir as assimetrias entre o campo e as cidades. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA