Comissões eleitorais querem mais proximidade com as TIC

Joyce Kazembe Presidente da Conferência (Foto: J.Angola)
Joyce Kazembe Presidente da Conferência (Foto: J.Angola)
Joyce Kazembe Presidente da Conferência (Foto: J.Angola)

As comissões eleitorais da SADC, reunidas durante dois dias, em Luanda, consideraram nesta terça-feira necessário que se coloque nas suas agendas de gestão de processos eleitorais a temática do uso das tecnologias de informação.

Este desejo foi expresso nesta terça-feira, pela presidente em exercício do Fórum das Comissões Eleitorais da SADC, Joyce Laetitia Kasembe, no termino da XVII Conferência Geral Anual que decorreu na capital angolana, sob o lema “Tecnologias de informação e gestão de eleições”.

De acordo com a responsável, em relação as questões internas do Fórum destacou-se a necessidade de alargar a composição da organização e antecipou-se dois postos novos que deverão ser integrados no secretariado para responder a demanda organizativa e administrativa.

Questionada sobre os processos eleitorais no Continente Africano, Joyce Kazembe considerou que de uma maneira geral a região da SADC é das mais estáveis, com excepção da República Democrática do Congo, que às vezes apresenta alguns constrangimentos.

“Em princípio, a SADC é uma região que, comparativamente com as outras, no ponto de vista de gestão de processos eleitorais, é a mais pacifica”, sublinhou.

Em relação as abrangências e inclusão dos resultados com o uso das tecnologias de informação, referiu que o uso racional das tecnologias de informação torna a transmissão mais célere, uma vez que sempre que se faz o registo de cidadãos com o uso das tecnologias o processo se torna mais célere e eficaz.

“O nosso foco enquanto fórum regional tem sido o apoio mútuo das comissões eleitorais e sempre que é identificada uma determinada dificuldade num dos seus membros prestamos o auxilio necessário para que a mesma seja debelada”, referiu.

Entretanto, o presidente da Comissão Nacional Eleitoral de Moçambique, Abdul Saul, afirmou que no encontro ficou patente que os países em virtude do desenvolvimento variável não estarem todos ao mesmo nível no uso das tecnologias nos processos eleitorais o mesmo deve ser introduzido de uma forma gradual.

Considerou que os processos eleitorais são muito sensíveis e é necessário que se crie a confiança entre todos os actores interessados nos mesmos processos.

Na óptica de Abdul Saul, África, em particular a região em que Angola se insere, tem países com desenvolvimento variado e alguns já avançaram muito com o uso das tecnologias.

Todavia disse que outros países ainda não avançaram tanto, daí ser necessários que todos os países africanos comecem a olhar para as vantagens que o uso das tecnologias de informação trazem para o registo eleitoral.

Realçou que as mesmas trazem benefícios nos processos de contagem e apuramento, sendo necessário que se equacionem de forma bastante ponderada as questões económicas e sociais, assim como as relativas ao nível intelectual dos intervenientes.

De acordo com o presidente da Comissão Nacional Eleitoral de Moçambique esta discussão é pertinente, uma vez que serviu para a troca de informações e experiências entre os países participantes no encontro.

Participaram na XVII Conferência Geral Anual do Fórum das Comissões Eleitorais da SADC os 15 países membros da organização. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA