China pretende reforçar cooperação parlamentar com Angola

FERNANDO DA PIEDADE DIAS DOS SANTOS, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL, RECEBE EMBAIXADOR DA CHINA EM ANGOLA (Foto: Clemente dos Santos)

A República Popular da China reiterou hoje, quarta-feira, a intenção de reforçar a cooperação parlamentar com a República de Angola no âmbito das relações bilaterais, afirmou o embaixador do país asiático, Gao Kexiang.

FERNANDO DA PIEDADE DIAS DOS SANTOS, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL, RECEBE EMBAIXADOR DA CHINA EM ANGOLA (Foto: Clemente dos Santos)
FERNANDO DA PIEDADE DIAS DOS SANTOS, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL, RECEBE EMBAIXADOR DA CHINA EM ANGOLA (Foto: Clemente dos Santos)

Em declarações à imprensa, no término de uma audiência que manteve com o presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, o diplomata, em fim de missão, afirmou que os quatro anos em que permaneceu em Angola serviram para o reforço da cooperação em diversas áreas.

“A grande vontade do povo angolano em trabalhar para o desenvolvimento do seu país, assim como a consolidação da amizade entre  Angola e a República da China, foram aspectos que mais marcaram a minha missão neste país africano”, referiu.

De acordo com Gao Kexiang,  durante a sua permanência em Angola trabalhou para uma colaboração profunda entre os dois parlamentos, sendo da opinião que a Assembleia Nacional está a desempenhar um papel muito activo no processo de desenvolvimento de Angola.

Também  foi manifestado o interesse da parte chinesa em aumentar o intercâmbio entre os dois parlamentos, dado que ambas as casas das leis têm muita experiência, frisou.

Para o diplomata, o papel da Assembleia Nacional, tanto de Angola como da China é muito importante para o  crescimento em todas as áreas nos dois países.

Questionado sobre a recente visita do Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, à China,  Gao Kexiang, afirmou que as  excelentes relações de amizade e de cooperação existentes entre os dois países têm criado ciúmes por parte de outras nações.

“As  boas relações económicas entre Angola e a República Popular da China não têm agradado muitos países, os quais têm manifestado o seu ciúme, tentam usar forças políticas da oposição para criticarem as mesmas, criando dúvida no seio da opinião pública”, sublinhou o diplomata.

Gao Kexiang termina a sua missão de quatro anos à frente da embaixada do seu país em Angola, regressando à República Popular de China onde irá desempenhar outras funções. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA