CELAC pede para incluir devolução de Guantánamo nas conversações entre EUA-Cuba

Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC)
Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC)
Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC)

A normalização de relações entre Cuba e Estados Unidos, depois de meio século de inimizade, deverá incluir a devolução aos cubanos do território de Guantánamo, onde opera uma base e uma prisão americana, destacou a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC).

Em um comunicado divulgado nesta sexta-feira no Equador, país que exerce a presidência pró-tempore da organização, a CELAC pronunciou-se sobre a base de Guantánamo, que tecnicamente os Estados Unidos aluga desde 1903, amparado em um contrato sem data de término.

O bloco regional de 33 países “considera que a devolução à República de Cuba do território que ocupa a Base Naval dos Estados Unidos em Guantánamo deve ser um elemento relevante deste processo, mediante um diálogo bilateral aferrado ao Direito Internacional”, informou a CELAC.

O governo cubano se recusa há décadas a receber o pagamento simbólico por Guantánamo e exige dos Estados Unidos a sua devolução.

Os dois países, inimigos históricos por cinco décadas, iniciaram, em Dezembro de 2014, um processo histórico de normalização das relações diplomáticas e desde Agosto contam novamente com embaixadas em Havana e Washington.

O governo de Barack Obama, que pediu ao Congresso americano o fim do embargo económico a Cuba, imposto em 1962, afirma que Guantánamo não consta na agenda de discussões bilaterais. (swissinfo.ch)

afp_tickers

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA