Cabo Verde: PM pede “diálogo e entendimento” aos dirigentes guineenses

PRIMEIRO-MINISTRO DE CABO VERDE, JOSÉ MARIA NEVES (Foto: Angop)

Cidade da Praia – O primeiro-ministro cabo-verdiano pediu quinta-feira “diálogo e entendimento” aos dirigentes políticos da Guiné-Bissau após a demissão por parte do Presidente da República, José Mário Vaz, do governo liderado por Domingos Simões Pereira.

PRIMEIRO-MINISTRO DE CABO VERDE, JOSÉ MARIA NEVES (Foto: Angop)
PRIMEIRO-MINISTRO DE CABO VERDE, JOSÉ MARIA NEVES (Foto: Angop)

Em declarações à Rádio de Cabo Verde (RCV) na ilha do Fogo, onde se encontra há uma semana, José Maria Neves recusou-se a comentar a situação na Guiné-Bissau, dizendo que se trata de questões de política interna do país.

“A situação política na Guiné-Bissau tem a ver com razões de política interna, não cabe ao governo de Cabo Verde comentar o que se passa neste momento na Guiné-Bissau”, afirmou.

Entretanto, o chefe do executivo cabo-verdiano disse esperar diálogo e entendimento entre os órgãos de soberania para que a Guiné-Bissau possa desenvolver-se e afirmar-se.

“Esperamos é que haja muito diálogo e entendimento entre os órgãos de soberania para, com estabilidade, a Guiné-Bissau possa desenvolver-se e afirmar-se no contexto das nações. São esses os nossos votos e esperamos que haja essa perspectiva de busca de consensos e de entendimentos para responder, efectivamente, às expectativas dos guineenses”, concluiu.

De manhã, o Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, também se recusou a comentar a situação política na Guiné-Bissau, mas disse esperar uma solução que sirva os interesses dos guineenses.

“Espero que qualquer que seja a solução que vá ao encontro dos interesses dos guineenses, sua democracia e caminhos de estabilidade com progresso para todos”, afirmou Jorge Carlos Fonseca à Inforpress.

O Presidente guineense, José Mário Vaz, assumiu na quarta-feira à noite a ruptura com o Governo de Domingos Simões Pereira, ao anunciar a dissolução do executivo, segundo um decreto presidencial lido na Rádio Difusão Nacional.

A decisão foi divulgada pela rádio pública da Guiné-Bissau duas horas e meia depois de o chefe de Estado ter feito um discurso à nação, no qual referiu que uma remodelação governamental não chegava para resolver a crise política no país. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA