Banco central apela a redução da apetência pelos dólares em mais de 50%

(EXPANSAO)
(EXPANSAO)
(EXPANSAO)

Governador do banco central afirma que a crise cambial não terminará tão cedo e reforçou a necessidade de se operarem reformas estruturais nos mais variados sectores de actividade.

As empresas e particulares devem reduzir as suas necessidades de divisas em mais de 50%, no sentido de se reduzir a pressão que existe sobre as divisas, fundamentalmente o dólar norte-americano e se ajustarem ao novo parâmetro da economia nacional, defendeu o governador do Banco Nacional de Angola (BNA) José Pedro de Morais Júnior.

Falando a jornalista, a margem da cerimónia que marcou as celebrações do 40º aniversário do assalto a banca, numa promoção do Sindicato Nacional dos Empregados Bancários de Angola (SNEBA), o responsável referiu que houve uma redução bastante grande na oferta de divisas, sem no entanto se registar uma diminuição na procura das mesmas.

“Há uma procura exacerbada de divisa que, no meu entender talvez não seja necessário. A sociedade tem de permitir que a economia se reajuste aos novos parâmetros financeiros do País, sobretudo, com ausência de divisas. Há menos divisas e isto não vai mudar agora”, perspectivou.

José Pedro de Morais enfatizou que não será tão cedo que Angola vai ter mais dólares a circular no mercado cambial, evocando a necessidade de se operarem reformas estruturais nos mais variados sectores de actividade, começando pelo Estado que já reduziu as suas despesas públicas em mais de 50%, com a revisão do Orçamento Geral do Estado (OGE) 2015, exortando os particulares e as empresas a fazerem o mesmo.

Em jeito de balanço, o “homem forte” do BNA, considerou que o sector bancário e financeiro, no geral, tem crescido de forma significativa nos últimos 40 anos, com forte aposta em quadros nacionais. Actualmente temos quadros nacionais com cargos de chefias e direcção no sector bancário, com competências para serem gestores em qualquer parte do mundo, frisou.

S N E B A quer clínica

O Sindicato Nacional dos Empregados Bancários de Angola (SNEBA) pretende construir uma clínica para atender os funcionários do sector bancário e financeiro, bem como as pessoas, podendo estar aberta também para o público em geral, segundo avançou o secretário de gestão administrativa da organização, Manuel Augusto.

O responsável explicou que a iniciativa visa proporcionar maior dignidade aos funcionários bancários, tendo em conta a especificidade do seu trabalho. Entretanto, o responsável sindical fez saber que o SNEBA não dispõe de recursos financeiros para a materializar do projecto, tendo apelado as instituições bancárias e financeiras, no sentido de apoiarem a iniciativa.

“É um projecto que existe há já algum tempo, mas por falta de dinheiro não conseguimos tornar em realidade”, disse. (expansao.co.ao)

por Osvaldo Manuel

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA