Autoridades sanitárias da Ingombota lamentam impedimento da vacinação em duas creches

CRIANÇAS NO LANÇAMENTO DA CAMPANHA DE VACINAÇÃO (Foto: Lucas Neto)

As autoridades sanitárias do distrito urbano da Ingombota, em Luanda, lamentaram o facto dos vacinadores da campanha contra poliomielite terem sido impedidos de vacinar mais de 50 crianças de duas creches privadas localizadas no bairro Patrice Lumumba.

CRIANÇAS NO LANÇAMENTO DA CAMPANHA DE VACINAÇÃO (Foto: Lucas Neto)
CRIANÇAS NO LANÇAMENTO DA CAMPANHA DE VACINAÇÃO (Foto: Lucas Neto)

Em declarações hoje, terça-feira, à Angop, o chefe de repartição da saúde, Pedro Gaspar, disse que a acção aconteceu na sexta-feira, por parte de responsáveis das creches, alegando que não estavam autorizados pelo pais e encarregados de educação a permitir que as crianças fossem vacinadas.

“ Esta acção  constitui um crime, mas a situação esta já controlada e vamos vacinar as crianças das duas creches”, sublinhou.

O  também médico disse que, numa altura em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) pretende incluir Angola na lista dos países livres da pólio, não se devem admitir atitudes contrárias.

Por sua vez, o administrador distrital, Lobato Neto, reiterou o pedido a população local no sentido de colaborar e prestar todo apoio necessário às equipas de vacinadores engajadas na campanha, tendo exortado as autoridades sanitárias a continuarem a mobilizar os munícipes para que levem as suas crianças aos locais de vacinação.

AO Ingombota previa vacinar 18 mil e 177 crianças, dos zero aos cinco anos de idade,  contra a poliomielite e estiveram envolvidas 177 pessoas, entre vacinadores, supervisores e coordenadores de áreas.

Para além da vacinação feita casa-a-casa, estão destacados postos fixos nos centros médicos da Ilha de Luanda, Boavista e 4 de Fevereiro, ex-sindicato, localizado na avenida da Marginal. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA