António Costa quer mais três ministros

António Costa esteve ontem nas Festas da Senhora da Agonia acompanhado pelo presidente da Câmara Municipal, José Maria Costa, e Tiago Brandão, cabeça de lista do PS pelo círculo de Viana do Castelo (Foto: JOSÉ COELHO/Lusa)
António Costa esteve ontem nas Festas da Senhora da Agonia acompanhado pelo presidente da Câmara Municipal, José Maria Costa, e Tiago Brandão, cabeça de lista do PS pelo círculo de Viana do Castelo (Foto: JOSÉ COELHO/Lusa)
António Costa esteve ontem nas Festas da Senhora da Agonia acompanhado pelo presidente da Câmara Municipal, José Maria Costa, e Tiago Brandão, cabeça de lista do PS pelo círculo de Viana do Castelo (Foto: JOSÉ COELHO/Lusa)

Se o PS ganhar as eleições, a Cultura e o Mar voltarão a ter ministérios. O líder socialista quer ainda dar estatuto “superior a secretário de Estado” ao responsável pelos Assuntos Europeus.

A orgânica governamental vai mudar se o PS ganhar as eleições. A Cultura voltará a ter um ministério, o Mar também – e provavelmente os Assuntos Europeus.

Quanto à Cultura isso está explicitamente admitido no programa eleitoral do partido: “O PS assumirá como prioridade neste domínio o restabelecimento do Ministério da Cultura como primeiro promotor de uma política cultural coerente e sustentada e como interlocutor privilegiado com as demais tutelas, promovendo, em simultâneo, o trabalho em rede com os centros de decisão locais e regionais e reforçando a sua iniciativa e capacidade.”

Uma das primeiras tarefas de um futuro ministro (ou ministra) da Cultura num governo liderado por António Costa será “integrar o audiovisual, imprensa, rádio e novos media” na sua esfera. Dito por outras palavras: colocar a RTP sob a tutela deste ministério e tirá-la de onde está atualmente (ministro adjunto do primeiro-ministro, no caso Miguel Poiares Maduro).

Os outros dois prováveis novos ministérios não constam no programa eleitoral mas o líder do PS já os referiu explicitamente. Um será do Mar, matéria que nas suas diversas variantes – turismo, negócios portuários, pesca, investigação científica – ocupa uma parte importante do documento eleitoral dos socialistas. (dn.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA