ANIP assina contratos avaliados em 3 mil milhões Kz

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

A maioria das 13 propostas de investimento assinadas em cinco sectores será implementada em Luanda. Cerca de 400 pessoas vão beneficiar de empregos directos.

A Agência Nacional para o Investimento Privado (ANIP) assinou, nesta segunda-feira, 13 novas propostas de investimento de nacionais e estrangeiros, avaliadas em mais de 24 milhões USD (3 mil milhões Kz).

Segundo o seu administrador, José Chinjamba, os projectos apresentados, ligados aos sectores da energia, indústria, prestação de serviços, comércio e construção civil, serão implementados, na sua maioria, em Luanda, prevendo-se que venham a criar 400 novos postos de trabalho para cidadãos nacionais. Justificou que a preferência dos investidores pela província de Luanda tem que ver com as condições de infra-estruturas disponíveis, como a água, energia eléctrica, assim como as vias de acesso.

Entretanto, José Chinjamba referiu que, nos últimos anos, esta situação tende a mudar, havendo já investidores que levam os seus projectos para outras províncias do País, tendo apontando Cuando Cubango como exemplo. Entre os projectos apresentados, consta a construção, gestão e exploração de um centro comercial da empresa Kelombe Investment Group, cujas obras já se encontram em curso, a ser instalado na zona do Kikuxi (Viana), avaliado em mais de 9 milhões USD, que irá garantir 148 postos de trabalho, 111 dos quais para nacionais.

Na área da energia foi assinado um contrato com a AEE Power (SU), empresa espanhola prestadora de serviços no sector de infra- estruturas de energia eléctrica, avaliado em mais de 1 milhão USD. A empresa encarregar-se-á da reabilitação de infra-estruturas de iluminação pública, em Mbanza Congo (Zaire).

Em Luanda, a AEE Power (SU)está reabilitar e a ampliar uma subestação da rede eléctrica, no município de Cacuaco. No sector da indústria foram assinados dois novos contratos. O primeiro, avaliado em mais de 1,5 milhões USD, foi firmado com a empresa das Ilhas Maurícias Amspapel, e prevê a construção, em Luanda, de uma fábrica de papel higiénico. Já o segundo cabe à empresa polaca Gerada International Group, que vai construir uma fábrica de produção de flocos de milho, orçada em 1 milhão USD, igualmente em Luanda.

A infra-estrutura irá gerar 25 novos postos de trabalho. A China também esteve representada nesta sessão de assinaturas de contratos, realizada na sede da ANIP, com cinco empresas que se encarregarão de executar projectos nos sectores da construção civil e do comércio, também em Luanda, avaliados cada um em 1 milhão USD. De recordar que, em Julho último, a ANIP, assinou 23 contratos de investimentos, com um valor global de 43,9 milhões USD (mais de 5 mil milhões Kz), maioritariamente para o sector do comércio.

A agência arrecadou, até ao momento, 600 milhões USD (75 mil milhões Kz), em multas aplicadas a empresas que assinaram contratos de investimento, mas que nunca concretizaram os seus projectos.

Na ocasião, a PCA da ANIP, Maria Luísa Abrantes, fez saber que muitas dessas empresas assinaram contratos em 2002 e não implementaram os seus projectos. Luísa Abrantes explicou ainda que tais empresas contactaram a ANIP, mas, no entanto, actuaram fora do seu objecto social e beneficiaram de créditos bancários no mercado nacional, sendo que algumas não realizaram nem o total nem parte do investimento. Acrescentou que até à presente data existem ainda muitas empresas em situação de incumprimento.

“Essas informações são apenas de empresas que a agência acompanha, mas há outras que não passaram pela ANIP nem por outra instituição e não estão sendo controladas”, clarificou. (expansao.ao)

Por: Eunice Sebastião

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA