Afrobasket2015: Campeões com vitória sofrível sobre Marrocos

Selecção Angolana Masculina de Baquetebol (Foto: Antonio Escrivao)
Selecção Angolana Masculina de Baquetebol (Foto: Antonio Escrivao)
Selecção Angolana Masculina de Baquetebol (Foto: Antonio Escrivao)

Pela segunda vez consecutiva, o conjunto nacional de basquetebol viu-se e desejou-se para ganhar, sábado, a um adversário, desta o Marrocos (68-67), considerado de “outro campeonato” no Afrobasket2015, que decorre na Tunísia.

Ainda sem o dote que lhe é característico, a equipa angolana, a revelar alguma falta de liderança na quadra, esteve a perder durante quase toda partida e encontrou somente a três minutos do fim um dos seus maiores registo, quando em desvantagem (60-63) o base Armando Costa igualou com um triplo (63-63) e bafejada de “sorte” o detentor do troféu viu o adversário já sem pernas para ultrapassar-lhe no placar.

Pouco tempo antes, tinha sido visível a determinação (que faltou ao grupo) de Edson Ndoniema, pois, embora lançado tarde ao jogo (a 1:45 segundos do fim do terceiro período), constituiu-se na “mola” impulsionadora dos hendeca-campeões, sem perder de vista o acto de coragem de Leonel Paulo na ponta final do encontro, com quatro importantes pontos, dos quais um “smash”.

O cinco nacional não diferiu o estilo de jogo da partida anterior, diante dos moçambicanos. Pouca dinâmica na movimentação, a equipa cometeu incompreensíveis erros de marcação, falhanços nos lançamentos e perdeu bolas em momento impróprio, tendo sido obrigada a correr sempre atrás do prejuízo.

O melhor que conseguia ao longo do jogo era chegar a igualdade (25-25), (33-33), (38-38) e (63-63).

Mas a substituição de Carlos Morais por Edson Ndoniema no final do terceiro período veio dar algum alento ao seleccionador Moncho Lopez, que preocupado dificilmente se sentava, aos colegas e aos pouquíssimos adeptos angolanos presentes em Radés, numa altura em que a pressão saída do banco de suplentes e dos apoiantes marroquinos se fazia sentir.

Em três minutos em campo, o extremo do 1º de Agosto converteu nove pontos, ultrapassando os demais companheiros, e posteriormente acrescentou dois, tornando-se no melhor marcador de Angola, com 11 pontos, e terceiro da partida, a seguir Abderrahim Najah (14 pontos) e Reda Harras (13).

Diante da 10ª selecção no ranking africano, onze atletas angolanos, líderes do continente, foram incapazes de concretizar pontos a cima de um dígito.

Angola somou o quarto ponto, os mesmos que o Senegal, seu adversário da última jornada da fase de grupos segunda-feira, a partir das 21 horas, enquanto o Marrocos e Moçambique têm dois pontos e definem o terceiro lugar do grupo B na próxima ronda.

O jogo foi ajuizado pelo trio Mathurin Nguessan, da Cote d’Ivoire, Didier Shema (Rwanda) e Arnaud Kom Njilo, dos Camarões, e as equipas marcaram:

Angola: Ndoniema (11), Armando (7), Morais (9), Fortes (6), Hermenegildo (0), Leonel (6), Valdelício (4), Reggie Moore (5), Ambrósio (4), Yanick (5), Braúlio (2) e Mingas (9).

Treinador: Moncho Lopez

Marrocos: Harras (13), Kourodu (10), Khalfi (3), Laanani (7), Choua (2), Zouita (11), El Makssoud (7) e Najah (14). Ait Fatah, Lahrichi e Dahmani não jogaram.

Treinador: Anton Vujanic. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA