À procura do segundo triunfo

(jd.ao)

Selecção Nacional espera ter uma postura esta noite no jogo com Morrocos e procura uma vitória sobre o adversário, na prova que decorre na Tunísia.

(jd.ao)
(jd.ao)

A Selecção Nacional de basquetebol sénior masculino defronta hoje, a partir das 21h00, no Pavilhão de Radés, Tunísia, a congénere de Marrocos, em partida a contar para a segunda jornada do Grupo B da fase preliminar da 28ª edição do Campeonato Africano das Nações, vulgo Afrobasket, competição selectiva aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, Brasil, em 2016.

Depois de ter vergado na jornada inaugural do Grupo B, a similar de Moçambique, por 72-84, o combinado nacional terá pela frente a selecção de Marrocos, conjunto que na primeira ronda pregou um susto à forte selecção do Senegal.

Ontem, o seleccionador nacional, Moncho López, aproveitou o dia para realizar mais uma sessão de treino, onde foram revistos os aspectos que estiveram mal na partida frente a selecção moçambicana.

As transições rápidas defesa-ataque com circulação da bola em todas as áreas de jogo, controlo da posse de bola, bem como lançamentos a curta e longa distância voltaram a merecer a atenção especial da equipa técnica.

Para o desafio desta noite, os campeões africanos são obrigados a entrar com bastante determinação, sob pena de serem surpreendidos pelos marroquinos que, à semelhança dos angolanos, estão igualmente focalizados na conquista do título da 28ª edição do Afrobasket e, por via disso, ser o representante “legítimo” do continente africano aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Em declarações à comunicação social, o seleccionador nacional assegurou que o nervosismo que se apoderou da equipa na partida inaugural, frente a Moçambique, faz parte do passado, pelo que, logo, frente a Marrocos, a Selecção Nacional vai aparecer com outra atitude.

“Reconhecemos de facto que entrámos muito mal do desafio frente a Moçambique, com perda sistemáticas de bolas para além da ineficiência nos lançamentos exteriores. Ontem, fizemos as correcções necessárias e tenho a plena certeza de que, na partida frente a Marrocos, vamos aparecer com outra postura”, prometeu o técnico que tem a missão de qualificar Angola aos Jogos Olímpicos.

Braúlio Morais, jovem que esteve em grande destaque na vitória sobre a selecção de Moçambique, por 84-72, pode constar do cinco inicial. Dado a importância do prélio desta noite, Armando Costa vai ser mais uma vez chamado a conduzir as acções ofensivas do cinco nacional.

À entrada da segunda jornada, a Selecção Nacional lidera o Grupo, com dois pontos, seguido pelo Senegal, igualmente com dois pontos, ao passo que Moçambique e Marrocos ocupam os últimos lugares, ambos com um ponto cada.

Entretanto, a partida de logo mais vai seguramente servir de antecâmara, tendo em vista o prélio do dia 24, frente a forte selecção do Senegal, com quem perdemos no Torneio Internacional de Santander, por escassos dois pontos (77-75).

Ainda hoje, para o Grupo B, Moçambique e Senegal abrem a partir das 16h00, no Pavilhão de Radés, a ronda número dois, num prélio onde o equilíbrio poderá ser a tónica do desafio.

GRUPO D
Cabo Verde e Argélia
centralizam atenções

Depois de ter protagonizado a primeira surpresa da competição, ao derrotar na jornada inaugural do Grupo D, a selecção de Cabo Verde vai procurar hoje, a partir das 18h30, a sua segunda vitória na competição, quando defrontar a selecção da Argélia.

As duas selecções partilham nesta altura o primeiro lugar do Grupo D, ambas com dois pontos, fruto de uma vitória.
O desafio entre cabo-verdianos e argelinos vai definir o líder isolado do grupo.

Motivados com o triunfo frente a Costa do Marfim, na jornada inaugural, por 76-56, os pupilos de Luís Magalhães vão tentar surpreender esta noite a similar da Argélia, que também é apontada como uma das fortes candidatas à conquista do título africano.

Perspectiva-se uma partida bastante equilibrada, a julgar pelo aquilo que as duas selecções produziram na primeira jornada.
A selecção que explorar melhor os erros do adversáriovai seguramente conquistar os dois pontos em disputa.

A jornada dois do Grupo B abre com o encontro entre Costa do Marfim e Zimbabwe, a partir das 13h30, no Pavilhão de Radés. Com maior ou menor dificuldades os costa-marfinenses vão chamar a si a conquista dos dois pontos.
M.C

GRUPO C
Gabão consente segunda derrota

A selecção do Gabão consentiu ontem a sua segunda derrota, ao perder diante do Mali, por 54-78, em partida referente à segunda jornada do Grupo C da fase preliminar da 28ª edição do Campeonato Africano das Nações, vulgo Afrobasket.

Mali, que na ronda inaugural perdeu diante dos Camarões, ontem, não teve dificuldades para levar de vencida a frágil formação do Gabão, que se diga, não ofereceu qualquer resistência.

Os malianos dominaram a partida durante os quarenta minutos, ante a passividade da defesa dos gaboneses.
Ainda ontem, para o Grupo C, Egipto e Camarões protagonizaram o maior duelo da jornada mas, até ao fecho da nossa edição desconhecíamos o resultado final.
M.C

ANGOLA
Líder da Associação
do Bié quer melhor
desempenho

O presidente da Associação Provincial de Basquetebol (APB) do Bié, Paulo Rufino Eduardo “Príncipe”, disse esperar por um melhor desempenho dos jogadores da Selecção Nacional frente ao Marrocos, no desafio da segunda jornada do Grupo-B.

No primeiro jogo do Grupo-B desta 28ª edição do Campeonato Africano das Nações de Basquetebol, frente a similar de Moçambique, o combinado nacional “apresentou-se algo desastrado”, de acordo com Paulo Rufino Eduardo.

Paulo Eduardo disse que esperava uma melhor atitude do conjunto às ordens do espanhol Moncho López. “Não só pela maior experiência em termos de Afrobasket, mas, , pelo nível dos seus atletas”, teceu.

“De facto, Angola não esteve muito bem nesse jogo, sobretudo, nos dois primeiros quartos. Os jogadores da Selecção Nacional apresentaram-se distraídos e permitiram que Moçambique assumisse as rédeas de jogos nesta etapa”, disse.

O número “um” do Bié condenou, também, o facto de os pupilos de Moncho López se apresentarem apáticos nas transições da defesa para o ataque e permitirem que os maçambicanos liderassem o placard num largo período.

“Os nossos jogadores falharam em enormes aspectos ante Moçambique que até não é um adversário do nosso nível. Perderam vários ressaltos debaixo da cesta, mesmo tendo na equipa jogadores altos como Eduardo Mingas, Yanick Moreiras e outros”, disse.
SÉRGIO V. DIAS, NO CUITO (jd.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA