Tunísia: País defende nova estratégia para promover parceria com África

Bandeira da Tunísia (Foto: Vlajky.org)

Túnis – Responsáveis de vários departamentos ministeriais e operadores económicos tunisinos, incluindo a organização patronal Utica e a transportadora aérea Tunisair, iniciaram uma nova estratégia visando o reforço da parceria com os países africanos em diversos sectores.

Bandeira da Tunísia (Foto: Vlajky.org)
Bandeira da Tunísia (Foto: Vlajky.org)

Reunidos sábado no Ministério dos Negócios Estrangeiros, eles abordaram o desenvolvimento do turismo de saúde, bem como a abertura de novas linhas aéreas directas com o continente africano.

Os participantes salientaram igualmente a necessidade de desenvolver a infra-estrutura,

melhorar a qualidade de acolhimento no aeroporto Túnis-Cartago, bem como promover o investimento bilateral e multilateral com os países africanos.

A reunião permitiu ainda debater sobre a supressão dos vistos para alguns países africanos e a instauração dum think thank encarregue de garantir o acompanhamento destas recomendações.

Para Touhami Abdouli, secretário de Estado encarregue dos Assuntos Árabes e Africanos, o objectivo desta reunião preparatória é identificar as grandes linhas de uma estratégia visando desenvolver as relações tuniso-africanas e colocar as bases de uma cooperação e parceria mutuamente benéfica.

Ele precisou que as recomendações saídas da reunião serão inscritas no quadro de um plano de acção tuniso-africano que será lançado no início do mês de Setembro.

Por seu turno, a ministra do Turismo, Selma Elloumi Rekik, sublinhou que a Tunísia está interessada há cerca de dez anos em África, que constitui um mercado promissor.

A respeito do apelo da Grã-Bretanha que aconselha os seus cidadãos a deixar a Tunísia, a ministra disse estar “surpreendida” por esta reacção sublinhando que os contactos continuam com a parte britânica para a anulação desta decisão.

Os intervenientes prometeram reforçar a representação diplomática tunisina em África (actualmente a Tunísia conta apenas oito embaixadas para 54 países) reduzir os prazos de concessão de vistos e aumentar o número de voos para África que apenas é servida actualmente por cinco voos. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA