Tufão na China força quase 1 milhão de pessoas a deixarem suas casas

Tufão ‘Chan Hom’ já provoca fortes ondas na província de Zhejiang, leste da China (Foto: Chinatopix / via AP Photo)
Tufão ‘Chan Hom’ já provoca fortes ondas na província de Zhejiang, leste da China (Foto: Chinatopix / via AP Photo)
Tufão ‘Chan Hom’ já provoca fortes ondas na província de Zhejiang, leste da China (Foto: Chinatopix / via AP Photo)

O tufão Chan-hom atingiu a costa chinesa ao sul de Xangai este sábado com ventos de até 160 quilómetros por hora. Quase 1 milhão de pessoas tiveram que abandonar a região e centenas de voos foram cancelados, segundo reportou rede de TV estatal.

A tempestade atingiu Zhoushan, uma cidade a leste do porto de Ningbo na província de Zhejiang. Não há notícias de feridos, mas a China Central Television (CCTV) mostrou pessoas em ruas alagadas, com água batendo nos joelhos.

Mais de 960 mil pessoas deixaram a região costeira antes da tempestade, reportou a agência de notícias oficial Xinhua.

O serviço nacional de previsão do tempo disse mais cedo que o tufão deve ser o mais forte a atingir a China desde que o governo comunista tomou o poder em 1949.

No sistema de ferrovias, mais de 100 trens entre as cidades da região foram cancelados até domingo. Voos saindo de Zhoushan ou chegando no local também foram cancelados e serviços de ónibus e balsas estão interrompidos. Em outros pontos de Zhejiang, 388 voos foram cancelados em Hangzhou, 143 em Ningbo e 37 em Wenzhou, segundo a CCTV. Várias cidades suspenderam serviços de ónibus intermunicipais.

Mais cedo, o Chan-hom deixou 20 feridos enquanto se movia na direcção das ilhas na região sul do Japão, de acordo com a agência de notícias Kyodo.

A tempestade ainda trouxe chuva para as Filipinas e Taiwan, onde vários voos foram suspensos. A bolsa de valores e os escritórios públicos foram fechados na sexta-feira em Taipei, capital do Taiwan.

É a segunda grande tempestade a atingir a China esta semana. O tufão Linfa já havia forçado 56 mil pessoas a deixarem suas casas na província de Guangdong. (Associated Press)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA