Tecnologias de informação: infra-estruturas, acesso e formação são a chave para o desenvolvimento do País

CÉSAR PINHEIRO Country manager Microsoft Angola (Foto: Angop)
CÉSAR PINHEIRO Country manager Microsoft Angola (Foto: Angop)
CÉSAR PINHEIRO
Country manager Microsoft Angola
(Foto: Angop)

O sector das tecnologias de informação em Angola tem registado nos últimos 10 anos um crescimento anual de mais de 55%, alcançando 14 milhões de consumidores, representando uma enorme oportunidade para o País.

Considerando que a presença da Microsoft em Angola é relativamente recente (está presente no País há cerca de seis anos), o maior desafio é a falta de recursos qualificados e as estruturas pouco desenvolvidas, especialmente no que diz respeito às comunicações. Os custos operacionais de negócio são altos, e a descida do preço do petróleo está a ter um forte impacto na economia angolana.

Porém, a economia do País começa a diversificar-se e a distanciar-se da dependência do petróleo, criando mais oportunidades para as PME crescerem com a ajuda das tecnologias. Paraalém disso, o facto de mais de 48% da população estar abaixo dos 15 anos representa uma oportunidade significativa para alavancar a presença das tecnologias, pois esta geração terá de desenvolver as suas competências nesta área.

Sendo a juventude angolana um grande estímulo, a Microsoft encontra-se bem posicionada para lidar com a falta de recursos qualificados e o desenvolvimento de infra-estruturas, contribuindo assim para um aumento do potencial angolano.

À medida que as tecnologias ganham mais adeptos, a Microsoft oferece ferramentas e serviços (Windows, Office, Azure) numa plataforma privada, segura e confiável, a cloud, que permite que os utilizadores optimizem a sua utilização da Internet.

Com esta diversidade de serviços e ferramentas, estimula-se a inovação e o empreendedorismo, apoiando o desenvolvimento de ferramentas para a empregabilidade e competitividade, promovendo o acesso a dispositivos e banda larga.

Estes esforços em conjunto procuram acelerar o desenvolvimento económico e o aumento do conhecimento tecnológico. Estou optimista em relação ao acesso e desenvolvimento de competências, que vai ajudar a combater o fosso existente, quando se fala na adopção de serviços mobile e cloud no País.

Actualmente, a penetração de telemóveis em Angola está nos 70%, e acredito que as empresas de telecomunicações, em conjunto com a formação, podem ter um papel importante no aumento da taxa de penetração. Simultaneamente, a absorção de serviços cloud em Angola tem sido lenta, considerando que estão disponíveis no País há pouco tempo, e este factor, em conjunto com a falta de notoriedade, manutenção e infra-estruturas, tem contribuído para uma implementação morosa.

É por esta razão que acredito na iniciativa Microsofts4Afrika, lançada em 2013 e que reúne os colaboradores da Microsoft de todo o mundo para partilharem as suas competências nos mercados emergentes. Este projecto foca-se em três pilares-chave: inovação, competências e acesso.

O objectivo é habilitar os cidadãos a tornarem as suas ideias realidade através do acesso aos dispositivos e serviços correctos, possibilitando que inúmeros angolanos tenham acesso a tecnologia, orientação e formação, uma necessidade premente para desenvolver o País. Para além do trabalho no sector privado, tem havido também uma modificação nas mentalidades dos cidadãos angolanos em relação às tecnologias de informação e um grande desenvolvimento no sector público.

De realçar o Portal do Governo, que oferece serviços digitais para os ministérios e institutos públicos, bem como serviços para a população em geral, que permitem uma melhor integração entre as partes intervenientes. O sector público está a criar condições para que as PME angolanas se desenvolvam.

Temos como missão não apenas manter o escritório da Microsoft, mas ajudar o País a ser um sítio melhor para se viver e para desenvolver os recursos de que necessita, criando um impacto ainda maior. Para alcançar este objectivo, adaptamo-nos às circunstâncias, estando no topo do desenvolvimento tecnológico.

É com este mindset que a Microsoft Angola trabalha para alcançar o seu objectivo – aumentar a importância da empresa no local e cooperar com Angola para a criação de uma sociedade tecnológica que possa beneficiar a empresa, as PME e a população em geral.

A Microsoft entrou no mercado angolano focada nas empresas, mas tem vindo a alterar o seu foco para satisfazer o segmento de mercado das PME. Estas são um segmento de mercado onde vamos poder assistir a um crescimento muito rápido nos próximos anos. (expansao.ao)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA