Taxa angolana sobre transferências serve para travar saída de divisas, diz economista

Economista Alves da Rocha, UCAN (Foto: D.R.)
Economista Alves da Rocha, UCAN (Foto: D.R.)
Economista Manuel Alves da Rocha, UCAN
(Foto: D.R.)

O diretor do Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola classificou hoje a nova taxa sobre algumas transferências para o exterior como uma medida do Governo para travar a saída de divisas do país. O economista Manuel Alves da Rocha reagia desta forma à aplicação de uma “contribuição especial”, de 10 por cento, às transferências de divisas para exterior em contratos de prestação de serviços de assistência técnica estrangeira ou de gestão, travando a fuga de capitais, noticiada quinta-feira pela agência Lusa.

“É uma medida de contenção de procura de divisas, de ajustamento fiscal, ainda que indireta, e insere-se no contexto de uma gestão financeira do Estado mais ajustada às tremendas dificuldades arrastadas pela quebra do preço do petróleo”, explicou o diretor do CEIC. (lusa/cmjornal.xl.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA