Rússia: Navios anti-mísseis dos EUA terão resposta russa

(© flickr.com/ U.S. Department of Defense Current Photos)
(© flickr.com/ U.S. Department of Defense Current Photos)
(© flickr.com/ U.S. Department of Defense Current Photos)

A Rússia saberá responder à modernização dos navios de guerra que utilizarão o sistema de defesa anti-mísseis (DAM) dos Estados Unidos, afirmou nesta terça-feira Oleg Pishni, chefe de departamento do 4º Instituto de Investigações Científicas do Ministério da Defesa da Rússia.

“Certamente, este feito ameaça o componente naval das forças estratégicas russas (…) mas a Rússia saberá responder a essa ameaça”, disse Pishni em entrevista colectiva.

Os EUA vão modernizar cerca de 50 navios da sua Marinha para no futuro os integrar ao seu escudo anti-mísseis na Europa.

“Segundo planos anunciados pelos americanos, seriam modernizados 48 ou 49 navios até o ano 2020”, afirmou o militar.

Pishni completou: assim, o número de anti-mísseis modernos passará de 200 unidades.

“Diante dessa situação, a Rússia adoptará medidas de carácter técnico adequadas”, ressaltou o representante do Ministério da Defesa.

EUA poderiam posicionar novos mísseis na Europa em 2018

“Acompanhamos de perto a criação do escudo ant-imísseis dos Estados Unidos. Acreditamos que com o tempo aparecerão mísseis da série SM-3 que serão uma ameaça para o nosso país. Este ano, realizaram exercícios com o míssil SM-3 bloco 2A, o que já gera preocupação”, ressaltou Pishni.

O Ministério da Defesa russo acredita que os Estados Unidos poderiam posicionar esses mísseis na Polónia e na Roménia em 2018.

A questão do escudo anti-mísseis foi um dos maiores pontos de discórdia nas relações entre Moscovo e Washington nos últimos anos. A Rússia crê que os planos americanos significam um risco para a segurança nacional e exigem dos EUA garantias de que o escudo anti-mísseis não apontará para seu território.

Em 2014, os EUA e, depois, a OTAN suspenderam o diálogo sobre o escudo anti-mísseis com Moscovo alegando uma suposta participação russa na crise ucraniana.

No dia em que Teerão e o grupo P5+1 chegaram a um acordo sobre o programa nuclear iraniano, o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, disse esperar que os EUA abandonassem a ideia do escudo anti-mísseis na Europa, como prometido em 2009.

“Em um discurso em Praga, em Abril de 2009, o presidente Barack Obama disse que se conseguisse uma solução para o programa nuclear iraniano, o objectivo de criar o escudo anti-mísseis deixaria de existir”, lembrou Lavrov.

Washington, por sua vez, defende o escudo argumentando que hoje a ameaça são os mísseis balísticos de Teerão. (sputniknews.com)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA