Portugal coloca 1,5 mil milhões em dívida de médio e longo prazo

(Foto: Miguel Baltazar/Negocios)
(Foto: Miguel Baltazar/Negocios)
(Foto: Miguel Baltazar/Negocios)

O instituto responsável pela dívida nacional fez um duplo-leilão de obrigações do Tesouro. Em causa estão títulos a cinco e 22 anos, tendo Portugal alcançado uma taxa de juro semelhante à registada no mercado secundário.

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) emitiu um total de 1,5 mil milhões de euros, em obrigações do Tesouro (OT) a cinco e 22 anos. Uma operação que registou uma procura de 2,719 mil milhões, com a taxa de juro no prazo mais curto a ser inferior à obtida na última operação equivalente.

Portugal colocou 900 milhões de euros em dívida que vence em 2020, a uma taxa de juro de 1,4232%. A procura por estes títulos ascendeu a 1,7 mil milhões, o que traduz um rácio face à oferta de 1,89 vezes. A última vez que o instituto liderado por Cristina Casalinho (na foto) realizou uma operação semelhante foi em Maio, quando colocou OT com maturidade em 2021, alcançando uma taxa de juro de 1,5529%.

Já a venda de obrigações com maturidade a 22 anos ascendeu a 600 milhões de euros. A taxa de juro a que os títulos foram colocados foi de 3,5341%, ligeiramente superior aos 3,514% registados actualmente no mercado secundário. Os investidores propuseram-se a comprar 1,019 mil milhões nestes títulos, fazendo com que a procura tenha ascendido a 1,70 vezes a oferta.

No caso da dívida de mais longo prazo, a comparação face a esta operação é complicada. Isto porque não se trata de uma linha de referência, o que faz com que o IGCP não recorra a este prazo frequentemente. Na verdade, a última vez foi em 2009, quando Portugal vendeu 750 milhões de euros em OT com maturidade em 2037.

Feitas as contas, o IGCP optou por colocar um total de 1,5 mil milhões de euros em OT. Um montante que fica acima do objectivo indicativo para este duplo-leilão – entre 1.000 e 1.250 milhões – e que eleva o total de obrigações emitidas este ano para 13.595 milhões de euros.

Com esta operação, a linha de OT que vence em 2020 tem agora um montante total de 10.592,5 milhões de euros. Já os títulos com maturidade em 2037 ascendem agora a 7.572,6 milhões.

Actualmente, a taxa de juro das obrigações a cinco anos sobe 1,9 pontos base para 1,425%, ao passo que a “yield” dos títulos que vencem em 2037 avança 4,7 pontos para 3,514%. Já a taxa a 10 anos – o prazo de referência no que toca à dívida soberana – negoceia nos 2,682%, mais 3,9 pontos que na última sessão.  (jornaldenegocios.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA