Portugal: Candidatos ao Novo Banco têm de apresentar propostas até 7 de agosto

Logo do Novo Banco (bancosdeportugal.info)
Logo do Novo Banco (bancosdeportugal.info)
Logo do Novo Banco (bancosdeportugal.info)

Os três candidatos à compra do Novo Banco têm até 7 de agosto para apresentar uma “proposta vinculativa revista”, indica o Banco de Portugal num comunicado publicado esta quinta-feira. Os chineses da Fosun e Anbang e os norte-americanos do fundo Apollo são os três potenciais compradores.

“Na sequência de convite dirigido aos três potenciais compradores que apresentaram uma proposta vinculativa no dia 30 de junho passado para que submetessem uma proposta vinculativa revista, o Conselho de Administração do Banco de Portugal deliberou hoje fixar a data de 7 de agosto para apresentação dessa proposta”, indica o regulador da banca em comunicado.

O Governo reconheceu esta quinta-feira a “derrapagem” no calendário para a venda do Novo Banco. “O processo não se arrastará demasiado”, referiu o ministro da Presidência, Marques Guedes, na conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros. O responsável lembrou ainda este processo é “todo ele tratado pelo Banco de Portugal enquanto supervisor e regulador do sistema financeiro”.

O Banco de Portugal, no comunicado de 30 de junho, em que anuncia ter recebido três propostas vinculativas para o Novo Banco, não apresentava uma data concreta para os candidatos apresentarem os valores finais para a compra dos “ativos bons” do antigo Banco Espírito Santo (BES).

As ofertas recebidas até 30 de junho apontavam para um montante superior a 3 mil milhões de euros, com reforços de capital para o Novo Banco incluídos. Este valor, no entanto, aponta para um encaixe dificilmente acima dos 2,5 mil milhões de euros, representando um prejuízo para o Fundo de Resolução, que injetou 4,9 mil milhões de euros no Novo Banco.

Os chineses da Fosun (donos da Fidelidade) e da Anbang e os norte-americanos do fundo Apollo Global Management (dono da Tranquilidade) são os três candidatos que restam para a compra da instituição liderada por Eduardo Stock da Cunha. (dinheirovivo.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA