Petróleos: Produção de material aquático no Lobito

Plataforma, projecto Kaombo (Foto: D.R.)
Plataforma, projecto Kaombo (Foto: D.R.)
Plataforma, projecto Kaombo
(Foto: D.R.)

A Sonamet e a AKER Solutions Enterprises assinaram em Luanda um acordo de parceria para o fornecimento de equipamentos subaquáticos de produção petrolífera ao “Projecto Kaombo”, operado pela Total E&P Angola.

O acordo enquadra-se na estratégia do consórcio e da Prodiaman Oil de construir no país, nos estaleiros da Sonamet no Lobito, província de Benguela, material apropriado.
O director-geral da Total, Jean Michel, informou que, no âmbito do acordo celebrado, vão ser construídos 10 selectores de produção, 20 âncoras de sucção e fundações, 21 cabeças de poço e 35 linhas de fluxos denominados “jumpers”, entre outras estruturas.
O contrato entre as empresas ultrapassa dois mil milhões de dólares investidos no país e vai gerar 14 milhões de horas de trabalho para o fabrico de 84 mil toneladas de estruturas e equipamentos. O acordo representa cerca de 2,4 milhões de horas de trabalho.

Além de beneficiar o “Projecto Kaombo” na cidade do Lobito, com os estaleiros da Sonamet e Angoflex, o acordo vai também favorecer as ambições do município do Ambriz, com o estaleiro da Petromar, onde são fabricados dois módulos de processamento e injecção, e também a cidade de Porto Amboin, com os estaleiros da Heerema e da Paernal.  Neste último será feita a integração de dois módulos no FPSO Kaombo Sul, esclareceu o director-geral da Total.

“O contrato veio confirmar o voto de confiança em todos os intervenientes locais directos e indirectos, a capacidade existente para superar os desafios associados às obras de execução de escopo sem acidentes, respeito de custos e prazos estabelecidos, pois os projectos da Total continuam a ser instrumentos para o fortalecimento do tecido local na regiões do Sul e Norte do país”, referiu Jean Michel.

O presidente da AKER, Pedro Godinho, anunciou que o contrato vai também beneficiar mais de 950 pessoas e, entre os objectivos, tem como compromisso investir na formação de engenheiros no sector petrolífero. Actualmente, jovens angolanos estão a ser treinados nos Estados Unidos da América e no Instituto de Petróleos do Sumbe, na província do Cuanza Sul, para trabalhar na indústria petrolífera.

A empresa prevê investir na base da Sonamet 15 milhões de dólares, com vista a fabricar localmente equipamentos submarinos para o “Projecto Kaombo” e 30 milhões para uma nova fábrica de material para a indústria petrolífera. A fábrica vai ter uma câmara hiperbárica para testes de controlo submarino, a primeira a ser construída no continente africano. Pedro Godinho disse que, com a instalação dessa câmara, os sofisticados módulos de controlo submarino não precisam seguir para a Europa para reparação ou testes, o que traz benefícios enormes para os operadores locais e para o país.

Desta forma, os dois parceiros pretendem contribuir para a estratégia de produção local de equipamentos idealizada pela Sonangol e o Ministério dos Petróleos, visando maximizar a participação de empresas angolanas em projectos da indústria petrolífera angolana.
A celebração do contrato foi testemunhada pelo secretário de Estado dos Petróleos, Anibal Silva, que destacou a importância para o “Projecto Kaombo”, na medida em que vão ser construídas  infra-estruturas em Angola. Aníbal Silva disse que  “a baixa do preço do petróleo não vai afectar em nada, porque são projectos elaborados antes da situação económica que o país vive”.

O consórcio entre a AKER Solutions Enterprises da Noruega e a Prodiam Oil Services de Angola assinou um contrato de 2,3 mil milhões de dólares, devendo ainda fornecer à Total um sistema subaquático de produção destinado ao “Projecto Kaombo”, localizado no bloco 32 do “offshore” angolano. (jornaldeangola.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA