Pentágono avalia opções para enviar armas à Ucrânia

(REUTERS/ Gleb Garanich)
(REUTERS/ Gleb Garanich)
(REUTERS/ Gleb Garanich)

Os Estados Unidos avaliam opções para oferecer ajuda militar à Ucrânia, mas ainda não tomaram uma decisão, afirmou ao Senado o secretário de Defesa do país, Ashton Carter.

Questionado pelo chefe do comité das Forças Armadas, John McCain, sobre a disposição de apoiar e armar a Ucrânia, Carter afirmou: “Estamos estudando, mas não tomamos uma decisão ainda.”

“Mas ainda estão inclinados a fornecer armas à Ucrânia?”, insistiu MacCain. Carter respondeu com um “sim”.

Carter assegurou que Kiev havia solicitado um aumento no número de soldados americanos durante uma reunião com o ministro de Defesa ucraniano, Stepan Poltorak, em Junho.
“Já temos instrutores em Yavorov (…) (Poltorak) me pediu um aumento do número de instrutores e acredito que continuaremos este trabalho e apoiaremos os militares governamentais”, apontou.

No encontro, Carter e Poltorak abordaram a ajuda americana no treinamento das forças da Guarda Nacional e Yavorov e a entrega de outros cem veículos Hummer em meados de Julho.

Por causa da operação militar lançada por Kiev contra Donbass, que não reconheceu a violenta mudança de poder na Ucrânia, mais de 6.500 pessoas morreram.

Uma solução para a situação em Donbass é debatida em diversos formatos, em particular pelo Grupo de Contacto (OSCE, Rússia e Ucrânia) que se reúne em Minsk e desde Setembro passado aprovou três documentos que regulamentam os passos a dar para que se reduzam as tensões.

O último documento, assinado em 12 de Fevereiro, além de estipular um cessar-fogo  a retirada de armas pesadas, obriga as autoridades da Ucrânia a iniciar um diálogo directo com os representantes das auto-proclamadas repúblicas de Donetsk e Lugansk sobre a realizações de eleições locais e sobre as emendas a serem introduzidas na Constituição da Ucrânia, com fins de descentralizar o poder e referendar um status especial para essas repúblicas. (sputniknews.com)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA