Paris tem o dia mais quente dos últimos 60 anos com 40°C na sombra

Para fugir do calor de 40°C, homem se refresca em uma fonte pública (REUTERS/Regis Duvignau)
Para fugir do calor de 40°C, homem se refresca em uma fonte pública (REUTERS/Regis Duvignau)
Para fugir do calor de 40°C, homem se refresca em uma fonte pública
(REUTERS/Regis Duvignau)

O segundo dia da onda de calor na França coloca quase metade do país em estado de alerta. Nesta quarta-feira (1), as temperaturas devem ser superiores a 35°C, principalmente no centro e no nordeste do país. Em Paris, os termómetros vão chegar a 40°C na sombra, batendo o recorde registado em 1947. Além do calor, a falta de ventos provoca um pico de poluição na capital francesa.

Quarenta dos noventa e cinco departamentos franceses estão desde a noite de ontem sob vigilância laranja no plano nacional de prevenção ao calor extremo, o terceiro nível de uma escala que vai até quatro. A onda de forte calor na França deve persistir no mínimo até a noite de amanhã, mas o serviço nacional de meteorologia acredita que as temperaturas permanecerão elevadas até o início da semana que vem.

A população é aconselhada a beber com frequência muita água, mesmo se não estiver com sede, a hidratar o corpo, a não sair de casa nas horas de pico e a alertar as autoridades em casos de emergência. Os conselhos valem principalmente para os mais vulneráveis, como idosos e crianças.

O alerta contra forte calor é accionado na França sempre que as temperaturas permanecem altas durante ao menos três dias consecutivos. O governo se esforça para evitar a tragédia do verão de 2003, quando 15 mil pessoas morreram durante um período excepcional de temperaturas em torno de 40°C.

As altas temperaturas também causam transtorno no sistema ferroviário. Os trilhos das ferrovias estão dilatados por causa do aquecimento excepcional, dificultando a circulação dos trens, que foram obrigados a reduzir a velocidade e acumulam atrasos. (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA