Papa diz que a ideologia leva à ditadura

Papa Francisco discursa no estádio Leon Condou, em Assunção (PABLO PORCIUNCULA / AFP)
Papa Francisco discursa no estádio Leon Condou, em Assunção  (PABLO PORCIUNCULA / AFP)
Papa Francisco discursa no estádio Leon Condou, em Assunção (PABLO PORCIUNCULA / AFP)

Na última etapa da viagem pela América do Sul, o Papa Francisco condenou as ideologias políticas que pretendem representar os indivíduos, mas que sempre “terminam em ditaduras” e criticou qualquer modelo económico que sacrifique a população por dinheiro.

– As ideologias terminam mal, não servem. Não assumem o povo, por isso pensem no século passado, em que as ideologias terminaram em ditaduras, sempre – enfatizou Francisco, no estádio León Condou, em Assunção, após dois dias de intensa programação no Paraguai e onde falou para cerca de cinco mil representantes de organizações civis que defendem sectores como saúde, educação, trabalho e direitos humanos.

Mais cedo neste sábado, diante de 800 mil pessoas, o Papa celebrou sua primeira missa no país – cuja população é 90% católica -, e, na ocasião, exaltou as mulheres por terem reconstruído a nação a partir dos destroços da guerra no século XIX.

– Gostaria especialmente de mencionar vocês, mulheres, esposas e mães do Paraguai, que a um grande custo e sacrifício foram capazes de levantar um país derrotado e devastado pela guerra – disse. – Deus abençoe as mulheres do Paraguai, as mais gloriosas da América.

No conflito, o Paraguai lutou, entre 1865 e 1870, contra Argentina, Brasil e Uruguai, e teve a população masculina adulta quase aniquilada.

A missa foi realizada em Caacupé, cidade de cerca de 50 mil habitantes considerada o principal reduto da fé católica no país. Lá, segundo a lenda, por volta de 1600, Nossa Senhora salvou a vida de um índio guarani atacado por uma tribo inimiga. Este, por gratidão, esculpiu, em madeira, uma Virgem que os paraguaios adoram até hoje e é considerada a padroeira do país. O Papa visitou o templo da padroeira, decorado com bandeiras e tecidos típicos, e depositou uma rosa branca aos pés da figura da Virgem. Pela manhã, ele foi a um hospital pediátrico.

ARGENTINOS SE DIRIGEM AO PARAGUAI

Milhares de argentinos atravessaram a fronteira para assistir a seu compatriota, que está encerrando uma passagem pela América do Sul.

– Estar aqui com vocês é como me sentir em casa – afirmou o pontífice no início do sermão.

Jose Demetrio Barrionuevo, comerciante de 50 anos, viajou de Tucumán, na Argentina, a Caacupé, com mulher e quatro filhos.

– Estamos orgulhosos do Papa, não só porque ele é argentino, mas porque é o primeiro Papa da América Latina. Estamos orgulhosos porque ele é um homem humilde – disse à AP.

A própria presidente da Argentina, Cristina Kirchner, informou na noite deste sábado que seguirá para Assunção para a missa prevista para este domingo, no campo militar Ñu Guazú, onde são esperadas três milhões de pessoas. Após passagem por Equador e Bolívia, Francisco aterrou sexta-feira em Assunção e foi recebido pelo presidente Horacio Cartes.

A peregrinação de Francisco pela América do Sul foi repleta de mensagens direccionadas aos pobres. Ele pediu a oprimidos que mudem a ordem económica mundial, alertou sobre os danos irreversíveis ao planeta e, sexta-feira, ainda pediu aos paraguaios para trabalhar na consolidação de uma democracia que respeite os direitos humanos e defendeu o fim da corrupção e do tráfico de drogas.

– Encorajo-os a continuar trabalhando com todas as suas forças para consolidar as estruturas e instituições democráticas que dêem resposta às aspirações justas dos cidadãos – disse em um discurso na sede do governo paraguaio, onde teve uma reunião com o presidente. ()

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA