Mulher cega pode chegar a deputada pela primeira vez

(D.R)

Ana Sofia Antunes, cega, integra o 19.º lugar da lista do PS pelo círculo de Lisboa. Em entrevista ao Diário de Notícias, explica que ficou feliz por estar na lista, mas ao mesmo tempo triste.

(D.R)
(D.R)

Formada em advocacia, Ana Sofia Antunes recebeu o convite para integrar a lista do PS por António Costa. “Surgiu como um convite por parte de António Costa que eu, depois de ponderar devidamente, aceitei”, explica. Esta é a primeira vez que uma pessoa com deficiência pode chegar à Assembleia da República.

Em termos de funções, a socialista explica que esteve vários anos na Câmara de Lisboa. “Assessorei durante vários anos o vereador da Mobilidade na Câmara de Lisboa, o professor Nunes da Silva, e fazia assessoria jurídica na câmara”, indica.

“O facto de ser uma pessoa com uma deficiência e de estar muito ligada ao movimento das pessoas com deficiência, fiz sempre muita pressão na câmara com um plano de acessibilidade pedonal, que teve grande apoio e incentivo de António Costa”, frisa.

Ana Sofia Antunes dá conta que “há coisas que já começaram a ser feitas nas passadeiras – rebaixamentos e sinais sonoros, por exemplo -, mas há que reconhecer que ainda há muito para fazer”.

“Sou uma pessoa com uma deficiência visual congénita [de nascença]. Não faria sentido nenhum, tendo esta oportunidade, não constituir como minha principal prioridade o trabalho em prol das pessoas com deficiência”, refere.

Contudo, esta indicação deixa um sentimento ‘agridoce’. “Sinto uma grande alegria porque nunca uma pessoa com uma deficiência fora indicada para a Assembleia da República nem para qualquer outro cargo de relevo, de eleição ou nomeação. É um momento de alegria, mas também de tristeza: porquê só agora. Porque é que isto só está a acontecer em Portugal agora?”, questiona.

Para a socialista, “esta causa não é de esquerda nem de direita – é uma causa”. “Mas eu sou uma mulher de esquerda. E senti neste programa do PS uma preocupação com as condições de vida das pessoas com deficiência – e acredito nisso, pelo trabalho que fiz com António Costa na Câmara de Lisboa”, acrescenta.

Em fartos elogios ao secretário-geral do PS, Ana Sofia Antunes diz que este é um “homem com a garra necessária para assumir esta cruzada”. “Acredito que à frente desta lista está uma pessoa com capacidades para se ir mais além e para nos representar nesta luta, para nos dar abertura para trabalharmos os instrumentos legais de que precisamos”, garante.

Caso garante um lugar na Assembleia da República em outubro, a socialista diz não estar preocupada com o trabalho ou acessibilidade por caracterizar-se como uma pessoa bastante autónoma. O único problema que poderá enfrentar prende-se com os “formatos de disponibilização da informação”. (noticiasaoaminuto.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA