Ministro de São Tomé informado sobre funcionamento do instituto de ciências policiais

Instituto de Ciências Policiais (Foto: Angop)

Efectivos da polícia de São Tomé e Príncipe irão beneficiar, a partir do próximo ano, de formação em segurança pública e sinistralidade rodoviária, no quadro de um acordo rubricado entre os dois países, anunciou hoje, quarta-feira, em Luanda (Angola), o ministro são-tomense da Administração Interna, Arlindo Ramos.

Instituto de Ciências Policiais  (Foto: Angop)
Instituto de Ciências Policiais (Foto: Angop)

O governante, que efectua uma visita oficial ao país, para reforçar a cooperação entre Angola e São Tomé e Príncipe, deslocou-se ao Instituto Superior de Ciências Policiais e Criminais Osvaldo Serra Van-Dúnem, que garantirá a formação dos efectivos de São Tomé e Príncipe, numa primeira fase um número inferior a 10 quadros.

“No âmbito da cooperação, há vagas para alunos de São Tomé e Príncipe e, por isso, vim fazer o reconhecimento das condições para os mesmos serem encaminhados na área de especialidade, que é a segurança pública”, disse o governante, que se fez acompanhar, ao instituto, pelo secretário de Estado do Interior, Eugénio Laborinho, e pelo segundo comandante da Polícia Nacional, Paulo de Almeida.

O referido instituto angolano tem como objectivo organizar e ministrar cursos de licenciaturas em ciências policiais, num período de quatro anos.

Por seu turno, o director do Instituto Superior de Ciências Policiais e Criminais Osvaldo Serra Van-Dúnem, comissário Alberto Mendes, informou que estão criadas todas as condições para a recepção dos bolseiros são-tomenses, nos próximos tempos.

“É nossa missão cumprir com as orientações do Governo, em particular do Ministério do Interior, e do Comando Geral da Polícia Nacional, e uma delas consiste na formação de bolseiros de São Tomé e Príncipe, cujas condições estão criadas para o devido cumprimento”, afirmou.

Na sua intervenção, o responsável aventou a possibilidade de recepção de outros bolseiros provenientes do Congo Brazzaville, Guiné Equatorial e Guiné Bissau, sempre no quadro dos acordos existentes com Angola. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA