Mais água para Luanda

(DR)
(DR)
(DR)

As obras de recuperação dos reservatórios do Centro de Distribuição de Água de Talatona ficam concluídas dentro dos próximos quatro meses, anunciou ontem, o presidente do conselho de administração da Empresa Pública de Águas de Luanda (EPAL), Leonídio de Ceita.

O centro foi construído há cerca de três anos, pela empresa brasileira Odebrecht, que, segundo Leonídio de Ceita, utilizou material inapropriado, que ditou o seu envelhecimento precoce e, consequentemente, a redução da capacidade, de 12 mil metros cúbicos para cerca de metade, fazendo com que a água não chegue a todas as casas.

Em declarações no final de uma jornada de campo aos municípios de Viana e Belas, durante a qual foram detectados vários pontos de garimpo de água, na zona do Calemba II, nas 500 casas e Talatona, Leonídio de Ceita assegurou que as obras em curso melhoram o abastecimento de água local.

A Empresa Pública de Águas de Luanda – EPAL passa, até ao final deste ano, a produzir 750 mil metros cúbicos de água, contra os 500 mil metros cúbicos produzidos actualmente, explicou Leonídio de Ceita.

O programa prevê um aumento gradual de produção e, até ao final de 2016, a capacidade da empresa deve atingir os 900 mil metros cúbicos de água. Em 2017, está prevista a entrada em funcionamento de uma parte da estação de tratamento do Bita e Quilonga Grande, devendo assim a empresa pública atingir um milhão e 400 mil metros cúbicos de água.

Leonídio de Ceita disse que a situação do garimpo está sob controlo da Polícia Nacional e do Ministério de Energia e Águas, que já trabalha em propostas de legislação para punir os infractores. Actualmente, muitos desses garimpeiros de água ficam impunes e são mandados para casa, por falta de legislação. A Empresa Pública de Águas de Luanda-EPAL procede, desde há alguns dias, em Luanda, ao corte de abastecimento de água aos consumidores devedores.

Numa das operações de corte a devedores, um trabalhador da empresa foi agredido fisicamente, caso já encaminhado para a Polícia Nacional, informou o presidente do conselho de administração da Empresa Pública de Águas de Luanda -EPAL, que pediu aos consumidores maior consciência dos deveres, para evitar cortes no fornecimento de água.

Leonídio de Ceita revelou que os moradores da Cidade do Kilamba são os maiores devedores, apesar de serem privilegiados em termos de abastecimento de água. (jornaldeangola.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA