Líder separatista russo é processado por queda de avião da Malaysia Airlines na Ucrânia

(DR)
(DR)
(DR)

Os familiares dos passageiros mortos no voo MH17 da Malaysia Airlines abriram um processo nos Estados Unidos contra o ex-chefe separatista russo Igor Strelkov, a quem acusam de ter derrubado o avião no leste da Ucrânia há exactamente um ano.

A parte civil reclama a indemnização no valor de 850 milhões de dólares desse ex-coronel do FSB (ex-KGB) e líder da maior parte das forças separatistas durante os primeiros meses de conflito em Kiev, e que foi destituído de seu cargo em Agosto de 2014.

No total, são 17 vítimas, a maioria de holandeses e britânicos, representados por seus familiares, que exigem 50 milhões de dólares cada um, afirmou à AFP o principal advogado das famílias, Floyd Wisner.

De acordo com o processo aberto em Chicago, Igor Strelkov, cujo nome de nascimento é Igor Guirkine, é acusado de ter “ordenado, ajudado e/ou motivado este ato e/ou conspirado junto com as pessoas que lançaram o míssil” contra o Boeing 777, que viajava de Amesterdão para Kuala Lumpur.

“O voo MH17 sobrevoava o espaço aéreo da zona, onde os rebeldes faziam guerra e, sob responsabilidade do comandante Guirkine, derrubaram o Boeing 777-200 da Malaysia Airlines”, indicam os documentos do processo.

Os 298 passageiros e membros da tripulação a bordo do aparelho morreram e uma investigação internacional está em curso para estabelecer as causas do acidente.

Kiev e as potências ocidentais acusam os separatistas pró-russos na Ucrânia de terem usado um míssil terra-ar, fornecido por Moscovo, que, por sua vez, responsabiliza o exército ucraniano pela tragédia.

“Este processo é o sintoma profundo de que a vida das vítimas não vale mais que dinheiro para seus familiares”, denunciou Guirkine em um comentário na internet.

Malásia, Holanda e outros países pediram à ONU que crie um tribunal especial para julgar os responsáveis da queda do avião, uma opção rejeitada por seu delegado no Conselho de Segurança, que apresentou seu veto, e pelo presidente russo, Vladimir Putin, que considerou a proposta “contraproducente”.

“Putin explicou a posição russa sobre a iniciativa prematura e contraproducente de vários países, entre eles a Holanda, de criar um tribunal para processar os responsáveis pela catástrofe aérea”, declarou o Kremlin depois de uma conversa telefónica entre o presidente russo e o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte.

“Antes de colocar em andamento um mecanismo judicial e levar ante a justiça os culpados deste crime, é preciso terminar a investigação internacional que deve ser minuciosa e objectiva, independente e imparcial”, afirmou Putin, citado no comunicado do Kremlin.

A agência federal russa da aviação, Rosaviatsia, difundirá nesta quinta-feira as primeiras conclusões da investigação realizada sobre o Boeing 777 da Malaysia Airlines, derrubado em 17 de Julho de 2014 no leste da Ucrânia, em uma zona próxima da linha de frente entre as forças ucranianas e os separatistas pró-russos.

Pouco depois da catástrofe aérea, o Conselho de Segurança da ONU adoptou a resolução 2166, que pede que os responsáveis “prestem contas e que todos os Estados cooperem plenamente para estabelecer as causas do ocorrido”. (afp.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA