Itália/Angola: Presidentes abordam questões ligadas a cooperação bilateral

Presidente angolano, José Eduardo dos Santos (D.R)

Roma – Questões ligadas a cooperação em diversos domínios estão no centro do diálogo no encontro que neste momento decorre hoje, segunda-feira, no Palácio do Quirinale, em Roma, Itália, entre o Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos, e o seu homólogo da Itália, Sérgio Mattarela.

 Presidente angolano, José Eduardo dos Santos (D.R)
Presidente angolano, José Eduardo dos Santos (D.R)

Os dois presidentes deverão também abordar questões de carácter internacional, à luz dos acontecimentos e transformações políticas, económicas e sociais, que ocorrem em alguns países de África e no mundo em geral.

No Palácio da Presidência da República italiana, o Presidente Eduardo dos Santos visitou ainda o vasto salão Dei Corazzieri, edificado entre 1556 a 1629 e restaurado durante o pontificado do Papa Paulo V Borghese (1605-1621). O salão, com afrescos de arte de valor inestimável de 1616, era destinado a audiências oficiais com delegações diplomáticas de visita a Santa Sé.

Esta é a terceira vez que o Presidente José Eduardo dos Santos visita a Itália. A primeira foi em 1997, quando se encontrou com o então  Presidente Oscar Luigi Scalfaro, em 2008, durante a Cimeira do “G8”, a convite do ex-Primeiro-Ministro Silvio Berlusconi.

Angola é hoje o terceiro parceiro comercial sub-sahariano da Itália. Em 2013, o valor total de comércio entre os dois países elevou-se a 891 milhões de Euros, com 348 milhões de Euros feitos através das exportações Italianas.

A Itália foi o primeiro país da Europa Ocidental a reconhecer a independência de Angola, no dia 18 de Fevereiro de 1976, e a 4 de Junho, do mesmo ano, estabeleceram-se as relações diplomáticas entre os dois Estados.

As relações de cooperação existentes entre Angola e a Itália tiveram o seu início em 1977, com a assinatura de um Memorando que institui a Comissão Bilateral, então Comissão Mista de Cooperação, ao que se seguiram a subscrição de vários outros instrumentos jurídicos. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA