Irão exige fim das sanções da ONU contra mísseis, mas Ocidente recusa

(REUTERS)
(REUTERS)
(REUTERS)

Um impasse sobre as sanções da ONU contra o programa de mísseis balísticos do Irão e um amplo embargo de armamentos estão entre as questões que travam o acordo nuclear entre a República Islâmica e as seis potências nesta segunda-feira, um dia antes do prazo para alcançar um acordo.

“Os iranianos querem o fim das sanções sobre mísseis balísticos. Eles dizem que não há motivos para ligar isso à questão nuclear, um ponto de vista que é difícil de aceitar”, disse um diplomata ocidental à Reuters. “Não há inclinação para isso de nossa parte.”

Representantes iranianos e ocidentais confirmaram essa questão. Os ministérios de Relações Exteriores das seis potências –Grã-Bretanha, China, França, Alemanha e Rússia e EUA– reuniram-se nesta segunda-feira com o ministro das relações exteriores iraniano, Javad Zarif, para tentar chegar a um acordo até a terça-feira à noite.

“O lado Ocidental insiste que não apenas (o programa de mísseis balísticos do Irão) deve permanecer sob sanções, como também o Irão precisa suspender esse programa”, disse um representante iraniano.

“Mas o Irão está insistir em seus direitos e diz que todas as sanções, incluindo sobre os mísseis balísticos, devem ser retiradas quando as sanções da ONU forem suspensas.”

Separadamente, um alto representante iraniano havia dito a repórteres em Viena, sob condição de anonimato, que Teerão queria que o embargo da ONU sobre armas também fosse suspenso. Um alto diplomata ocidental afirmou que essa suspensão está “fora de questão”.

O acordo sob discussão busca atrasar o trabalho nuclear mais sensível do Irão em uma década ou mais, em troca de alívio nas sanções que reduziram as exportações de petróleo iraniano e prejudicaram sua economia. (reuters.com)

por Parisa Hafezi e Louis Charbonneau

Reportagem adicional de John Irish, Arshad Mohammed e Shadia Nasralla, em Viena; e de Bozorgmehr Sharafedin, em Londres

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA