Huambo: Citadinos reconhecem importância dos arquitectos

HUAMBO: VISTA PARCIAL DA CIDADE (Foto: Edilson Domingos)

Huambo – Os citadinos do Huambo demonstraram na terça-feira terem noção da importância de um arquitecto na organização e desenvolvimento das zonas urbanas.

HUAMBO: VISTA PARCIAL DA CIDADE (Foto: Edilson Domingos)
HUAMBO: VISTA PARCIAL DA CIDADE (Foto: Edilson Domingos)

Entrevistados pela Angop, acerca do tema “importância e valorização de um profissional de arquitectura”, os mesmos foram unânimes em reconhecer que o combate das construções precárias no país passa, necessariamente, pela valorização dos arquitectos.

Também disseram que estes profissionais demonstram, nos seus projectos, preocupação com o meio ambiente e com as condições da população.

O citadino Belchior dos Santos, que já beneficiou dos serviços de um arquitecto, realça que muitas zonas urbanas surgem de forma desorganizada, por não resultarem de projectos concretos elaborados por especialistas deste ramo.

Contudo, admitiu haver carência de arquitectos no país, tendo em conta a crescente procura destes serviços, sobretudo por parte de cidadãos que queiram erguer suas moradias.

Para o cidadão Aleixo Jungui, a pouca valorização da profissão de arquitecto deve-se, em parte, a pouca consciencialização da população, sugerindo que a ordem dos arquitectos promova palestras para dar a conhecer nas comunidades o papel de um profissional dessa classe.

Contudo, admitiu que nesta fase que o país regista, de crescimento das zonas urbanas, é indispensável o contributo dos arquitectos, apesar de admitir serem poucos.

Já Alexandre Diniz Zacarias, realçou que a insuficiência de arquitectos e a fraca divulgação desta profissão tem levado a construção de empreendimentos em locais de riscos e sem observância das normas de segurança.

Para muitos cidadãos, segundo ele, basta possuir um terreno, material e pedreiro para darem inicio às obras de construção. “Temos notado muitas infra-estruturas erguidas com falhas graves, que deveriam ser evitadas caso o projecto fosse concebido por um arquitecto”, manifestou. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA