Huambo: Apresentado plano director do municipio da Caála

Vista da cidade da Caála (Foto: FRANK BEU)
Vista da cidade da Caála (Foto: FRANK BEU)
Vista da cidade da Caála (Foto: FRANK BEU)

O plano director do município da Caála, cuja cidade situa-se a 23 quilómetros a oeste da capital da província do Huambo, foi apresentado hoje, quinta-feira, sendo que o mesmo poderá ser executado num prazo de 10 anos.

O projecto apresenta uma proposta de constituição de 19 perímetros urbanos, numa área de 20 mil hectares seleccionados nas comunas da Catata, Cuima, Calenga, povoação do Ngove e arredores da cidade. Os estudos de infra-estruturação dos pólos urbanos começaram a ser realizados em 2012 pelas empresas Galvão Branco Consultores Limitada e Termiteira, que fizeram a apresentação do projecto que prevê, ainda, construção de novas centralidades com vista a melhorar as condições de vida da população e promover o desenvolvimento socioeconómico.

A consultora da Termiteira, Raquel Paixão, informou que o programa, que ainda aguarda pela aprovação do governo da província do Huambo, prevê o melhoramento das vias rodoviárias, dos sistemas de fornecimento de energia eléctrica e água potável, revitalização do pólo industrial, qualificação de recursos humanos e outros projectos de interesse económico.

Neste plano director, segundo a consultora, também foram criteriosamente estudadas as potencialidades turísticas existentes no município da Caála, que deverão merecer um projecto de melhoramento para a sua rentabilização. Explicou que o programa de urbanização antes de ser aprovado será submetido a um estudo minucioso dos técnicos da administração do município da Caála para a definição de um projecto totalmente contextualizado, de acordo a vontade da população.

Entre os presentes na cerimónia de apresentação do plano director do município da Caála destacam-se a directora do Ordenamento do Território, Urbanismo e Ambiente da província do Huambo, Paula de Carvalho, e o administrador do município, Victor Tchissingui, que se mostraram satisfeitos com o projecto, embora tenha sugerido algumas alterações, sobretudo na identificação clara das zonas definidas para o plano urbano, de forma a evitar a sua invasão antes da implementação dos projectos. (portalangop.co.ao)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA