Grécia acredita que poderá responder exigências dos credores

(Foto de John Thys/AFP)
(Foto de John Thys/AFP)
(Foto de John Thys/AFP)

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, expressou confiança nesta quarta-feira que seu governo conseguirá responder às exigências dos credores antes do fim de semana, data limite imposta pelos sócios da Eurozona para alcançar um acordo sobre uma ajuda financeira a Atenas.

“Não deixemos que a Europa se divida”, afirmou Tsipras em um discurso no Parlamento Europeu em Estrasburgo (leste da França).

O primeiro-ministro destacou que o país conseguirá responder às exigências da situação “pelo bem da Grécia, da zona do euro e do interesse económico e geopolítico da Europa”.

“O que chamamos de crise grega é a incapacidade colectiva da Eurozona para encontrar uma solução a uma crise da dívida, é um problema europeu, para o qual é necessária uma solução europeia”, que evitaria uma “ruptura histórica” da União Europeia, completou.

Tsipras expressou oposição às receitas “recessivas”.

“Minha pátria foi durante cinco anos o laboratório da austeridade, mas o experimento não teve sucesso, apesar do enorme esforço de ajuste consentido”, disse.

“Nosso programa se concentra nas verdadeiras reformas para lutar contra o clientelismo, a corrupção, a fraude fiscal e as injustiças”, completou, antes de destacar que conta com “o acordo dos sócios sobre estas prioridades”.

No discurso de abertura do debate no plenário, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, recordou que a zona do euro anunciou na terça-feira um ultimato até o fim de semana a Atenas para que apresente um programa confiável de reformas e ajustes fiscais para evitar “o pior cenário”, uma saída do país da zona do euro.

O comissário Europeu de Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, afirmou que é possível e necessário um acordo com a Grécia, mas destacou que depende da capacidade de Atenas de apresentar propostas de reformas confiáveis aos sócios da zona do euro.

“Até domingo é necessário encontrar uma solução, acredito que é possível. Sim, um acordo é possível, sim, é necessário”, declarou ao canal France 2.

“A bola está claramente no campo das autoridades gregas”, completou. (afp.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA