Governo não quer ganhar o hábito da transparência nas contas, diz UNITA

Raúl Danda (DR)
Raúl Danda (DR)
Raúl Danda (DR)

Estamos num país que não está habituado e não quer ganhar o hábito da boa governação, disse o chefe da bancada parlamentar da UNITA Raúl Danda.

O deputado comentava o relatório da conta geral do estado de 2013 que foi discutido no parlamento e aprovado com os votos do partido no poder e os votos contra de toda a oposição.

Um deputado do MPLA negou a acusação afirmando que o governo apresenta “com transparência  e lisura” as contas do estado

Um relatório do tribunal de contas fez notar alguns problemas como a contratação publica por parte de algumas províncias, discrepâncias entre dados da conta geral do estado de 2013 e os apresentados pelo ministério do planeamento e pelos governadores provinciais, principalmente no que diz respeito à execução do programa de investimentos públicos e ainda a não correspondência entre a execução financeira e a execução fiscal de alguns projectos.

A classe política e económica ao serviço do partido no poder reconhece as dificuldades que o executivo angolano tem vindo a revelar para justificar as contas mal feitas e as despesas que apresenta quanto ao exercício económico dos orçamentos passados mas consideram tratar se de uma fase de aprendizagem sobre a gestão dos bens públicos apesar de algumas instituições não  apresentarem contas transparentes e credíveis como ao os casos da presidência e a procuradoria geral da republica.

Danda diz que tem havido falta de vontade politica para fazer bem as contas e de forma coerente.

“Estamos num país que não está habituado e não quer ganhar o hábito da transparência da boa governação”,  disse Danda para quem o relatório do tribunal de contas tem vindo ao longo dos últimos anos  “a recomendar as mesmas coisas, a constatar os mesmos erros e omissões”.

Isso, disse,” demonstra que não é uma questão de aprendizagem é um problema de falta de vontade de fazer as coisa bem”.

“O tribunal de contas está sempre a dizer que os senhores membros do executivo onde dizem que pagaram dez milhões de dólares por alguma coisa apenas pagaram cinco e que os outros cinco vão para um sítio incerto”, disse.

“A mesma despesa é paga duas ou três vezes”,  acrescentou, afirmando ainda que “nós na escola aprendemos contas de somar e o nosso governo aprende contas de sumir”.

Bendito Daniel do PRS disse que os partidos da aposição no parlamento não tem condições de comprovar “se as coisas foram feitas ou não”.

O deputado do MPLA Tomás da Silva rejeitou as acusações afirmando que mesmo internacionalmente Angola é reconhecida por apresentar as suas contas.

O governo, disse, “apresentou com transparência e lisura as actividades financeiras da suas  instituições e empresas publicas”.

Para Tomás da Silva o debate parlamentar sobre as contas do estado só por si “ demonstra que estamos no bom caminho”

“Os números foram identificados com rigor e reflectem o que foram de facto as despesas”, disse. (voa.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA