Fátima Viegas considera mulher rural gestora das comunidades

FÁTIMA VEIGA - DIRECTORA DO GABINETE DE CIDADÂNIA E SOCIEDADE CIVIL DO MPLA (Foto: Angop)

Em declarações à imprensa, à margem da abertura da X sessão do Conselho Multissectorial de Género (CMG), organizado pelo Ministério da Família e Promoção da Mulher, sob o lema “empoderar a mulher é promover a igualdade e equidade de género, rumo ao desenvolvimento sustentável.”

FÁTIMA VEIGA - DIRECTORA DO GABINETE DE CIDADÂNIA E SOCIEDADE CIVIL DO MPLA (Foto: Angop)
FÁTIMA VEIGA – DIRECTORA DO GABINETE DE CIDADÂNIA E SOCIEDADE CIVIL DO MPLA (Foto: Angop)

Acrescentou ser necessário promoverem-se mais palestras, seminários e acções voltadas a promover a mulher de competências e capacidades, de modo que ela seja efectivamente uma conselheira estratega ao lado do homem.

Ao longo do evento, que tem o encerramento marcado para terça-feira (28), serão abordados vários temas, dentre eles “Balanço do grau de cumprimento das recomendações da 9ª sessão do Conselho Multissectorial”, Apresentação do Relatório do género 2014/2015”, “Apresentação das recomendações internacionais e regionais”, Relatório do Comité das Mortes Maternas e Neonatais”, “Ponto de situação do levantamento e mapeamento das OSC que promovem a igualdade e equidade de género”, entre outros.

O Ministério da Família e Promoção da Mulher tem no seu estatuto o Conselho Multissectorial de Género que é o órgão de consulta da ministra, cujo objectivo é assegurar a participação dos vários organismos do Estado, das diversas ONG’s, associações e organizações de carácter social e religioso, na realização das atribuições do Ministério da Família e Promoção da Mulher, inerentes à igualdade e equidade de género sendo o Barómetro da realização e cumprimento das acções de todos os sectores sociais sobre igualdade e equidade de género.

O evento tem como objectivo analisar e discutir sobre os hiatos ainda existentes na vida socioeconómica, política e cultural das mulheres e homens, que constituem factores impeditivos para a sua participação activa no processo de desenvolvimento do país e identificar vias estratégicas para a resolução dos mesmos.

Participaram da cerimónia de abertura, ministros, secretários de estados, deputados, líderes religiosos, entre outros convidados. (portalango.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA