Executivo garante continuidade de criar condições favoráveis ao desenvolvimento

Ministro da Assistência e Reinserção Social, João Baptista Kussumua (Foto: Lino Guimaraes)
Ministro da Assistência e Reinserção Social, João Baptista Kussumua (Foto: Lino Guimaraes)
Ministro da Assistência e Reinserção Social, João Baptista Kussumua (Foto: Lino Guimaraes)

O ministro da Assistência e Reinserção Social, João Baptista Kussumua, reafirmou hoje, sexta-feira, na capital do país, que o Executivo vai continuar a apostar na juventude e a prestar a devida atenção ao processo natural de envelhecimento da população, gerindo as suas aplicações na economia, segurança social e nos serviços de cuidados de saúde.

O governante falava no encerramento do acto central das celebrações do Dia Mundial da População, a assinalar-se a 11 deste mês, sob o lema “A população vulnerável em situação de emergência uma responsabilidade multissectorial”, tendo sublinhado ser importante assumir as consequências do comportamento individual na evolução dos fenómenos demográficos, para permitir uma antecipação de cenários futuros e a planificação de acções adequadas que criem condições favoráveis ao desenvolvimento de todos.

De acordo com o ministro Kussumua, as mulheres e raparigas, crianças e idosos representam um segmento da população mais vulnerável, sobretudo em contextos de dificuldades económicas, com implicações sociais e humanitárias, requerendo acções de apoio e de solidariedade das instituições do Estado e da sociedade.

Frisou que em Angola, as mudanças climáticas e calamidades naturais têm provocado situações sociais e económicas graves, especialmente entre as populações da região sul do país, com realce para as províncias do Cunene e Huila, provocando a seca, “limitando as reservas e disponibilidades alimentares, diminuindo os cursos de água, pondo em risco a vida humana e ameaçando a sobrevivência das culturas e do gado”.

“Em coordenação com outros programas, o Executivo angolano está a implementar uma política demográfica para os angolanos desfrutarem de uma vida longa e saudável, reduzir as mortes atribuídas a causas evitáveis como as doenças correntes e a sinistralidade rodoviária”, disse.

As actividade, que marcam as celebrações alusivas ao Dia Mundial da População, a assinalar-se a 11 deste mês, decorrem desde o dia 9 até 11 deste mês e estão a ser organizadas por uma comissão interministerial integrada pelos Ministérios da Assistência e Reinserção social (Minars), da Família e Promoção da Mulher (MINFAMU), da Administração e Território (MAT), da Saúde (MINSA), do Interior (MININT), com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP) e o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Temas como abordagem sobre as diferentes situações de vulnerabilidade, referências internacionais sobre atendimento de populações vulneráveis em situações de emergências, a importância e valores da família perante situações de calamidade, urbanização, Programas Habitacionais e a perspectiva de inclusão das pessoas vão igualmente ser aflorados.

Igualmente, serão discutidos temas sobre a importância das intervenções sanitárias, particularmente as relacionadas com a prevenção das doenças sexualmente transmissíveis, malária, doenças diarréicas agudas, má nutrição e doenças preveníveis pela vacinação, entre outras.

O Censo Geral da População e sua importância para o processo de tomada de decisão e concepção de medidas de políticas em benefício das populações vulneráveis, foco nos Planos de Prevenção e Mitigação dos Impactos, prevenção e controlo das Doença Sexualmente Transmissíveis, particularmente o VIH/SIDA, constam igualmente dos temas a debater no âmbito das celebrações do Dia Mundial da População. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA